Os Centros Históricos como laboratórios de Educação Histórica e Patrimonial

Helena Pinto

Resumo


O desenvolvimento, de forma sistemática e segundo critérios metodológicos, de atividades educativas relacionadas com património carece de discussão sobre práticas consistentes de Educação Patrimonial em articulação com reflexão sobre pesquisa existente em Educação Histórica. A par da sensibilização para a salvaguarda do património, os professores podem realizar práticas promovendo a interpretação de fontes diversas – nomeadamente objetos em contexto de centros históricos – encorajando os alunos a questioná-las de forma crítica e progressivamente mais complexa. Apresenta-se um estudo de natureza qualitativa, que investigou como alunos portugueses (de 7º e 10º ano) inferem a partir de objetos/edifícios durante um percurso no centro histórico de Guimarães, Portugal, em atividade educativa, com seus professores de História. A análise de dados sugeriu diversos perfis conceptuais quanto ao modo como os alunos dão sentido ao património, e como eles e seus professores entendem a relação dialógica entre passado, presente e futuro, que caracteriza a consciência histórica.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, A. Conhecer e nomear: a toponímia das cidades medievais portuguesas. A Cidade, Lisboa: Universidade Aberta, p.121-140, 1993.

ASHBY, R. O conceito de evidência histórica: exigências curriculares e concepções dos alunos. In: BARCA, I. (org.). Educação Histórica e Museus. Braga: CIEd, U. Minho, 2003, p.37-57.

ASHBY, R.; LEE, P.; SHEMILT, D. Putting principles into practice: teaching and planning. In: DONOVAN, M. S.; BRANSFORD, J. D. (eds). How students learn: History in the classroom. Washington DC: The National Academies Press, 2005, p.79-178.

BARCA, I. Literacia e consciência histórica. Educar em Revista, nº especial, p.93-112, 2006.

CAINELLI, M. Educação Histórica: perspectivas de aprendizagem da história no ensino fundamental. Educar em Revista, nº especial, p.57-72, 2006.

CHAPMAN, A. Asses, archers and assumptions: strategies for improving thinking skills in history in years 9 to 13. Teaching History, 123, p.6-13, 2006.

CHAPMAN, A.; FACEY, J. Placing history: territory, story, identity, and historical consciousness. Teaching History, 116, p.36-41, 2004.

CHOAY, F. A Alegoria do Património. Lisboa: Edições 70, 2000.

COLARDELLE, M. Les acteurs de la constitution du patrimoine: travailleurs, amateurs, professionnels. In: LE GOFF, J. (coord.). Patrimoine et Passions Identitaires. Actes des Entretiens du Patrimoine. Paris: Fayard. 1998, p.123-135.

COOPER, H. O pensamento histórico das crianças. In: BARCA, I. (org.). Para uma Educação Histórica de qualidade. Braga: CIEd, U. Minho, 2004, p.55-74.

DICKINSON, A.; GARD, A.; LEE, P. Evidence in history and the classroom. In: DICKINSON, A.; LEE, P. (eds). History teaching and historical understanding. London: Heinemann, 1978, p.1-20.

EMMISON, M.; SMITH, P. Researching the visual; images, objects, contexts and interactions in social and cultural inquiry. London: Sage, 2000.

FLORES, J. Património. Do monumento ao território. In: COUCEIRO, J. (coord.). Urbanidade e Património. Lisboa: IGAPHE, 1998, p.11-18.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Edições Vértice, 1990.

LE GOFF, J. História e Memória, 2 vols. Lisboa: Edições 70. 2000.

LOWENTHAL, D. The past is a foreign country. Cambridge: C. University Press, 1999.

LOWENTHAL, D. Heritage crusade and the spoils of History. Cambridge: C. U. Press, 2003.

LYNCH, K. A imagem da cidade. Lisboa: Edições 70, 2008.

NAKOU, I. Exploração do pensamento histórico das crianças em ambiente de museu. In: BARCA, I. (org.). Educação Histórica e Museus. Braga: CIEd, U. Minho, 2003, p.59-82.

PINTO, H. Guimarães, Centro Histórico: Património e Educação. Dissertação de Mestrado em Património e Turismo. Instituto de Ciências Sociais, Universidade do Minho. Braga, 2003.

PINTO, H. Educação histórica e patrimonial: conceções de alunos e professores sobre o passado em espaços do presente. Tese de Doutorado em Ciências da Educação – Educação em História e Ciências Sociais. Instituto de Educação, U. Minho. Braga, 2011. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2012.

PINTO, H. Interpretação de fontes patrimoniais em Educação Histórica. História & Ensino, Londrina, 18 (1), p.187-218, 2012. Disponível em: . Acesso em: 8 set. 2012.

PINTO, H. Educação patrimonial e educação histórica: contributos para um diálogo interidentitário na construção de significado sobre o passado. Diálogos, v. 19 (1), p.199-220, 2015. Disponível em . Acesso em: 1 jun. 2015.

RAMOS, F. R. A danação do objeto: o museu no ensino de história. Chapecó: Argos, 2004.

RÜSEN, J. Razão histórica. Teoria da História: os fundamentos da ciência histórica. Brasília: Editora UnB, 2001.

RÜSEN, J. Historical Consciousness: narrative structure, moral function, and ontogenetic development. In: SEIXAS, P. (ed.). Theorizing Historical Consciousness. Toronto: University of Toronto Press, 2004, p.63-85.

SCHMIDT, M. A.; GARCIA, T. B. Pesquisas em Educação Histórica: algumas experiências. Educar em Revista, nº especial, p.11-31, 2006.

SEIXAS, P.; CLARK, P. Murals as monuments: students’ ideas about depictions of civilization in British Columbia. American Journal of Education, 110 (2), p.146-171, 2004.

STRAUSS, A.; CORBIN, J. Basics of qualitative research: techniques and procedures for developing Grounded Theory. Thousand Oaks: Sage, 1998.




DOI: https://doi.org/10.20949/rhhj.v5i9.233

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Helena Pinto

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia