Dados quantitativos na reflexão didática de estudantes e professores de História

Luis Fernando Cerri

Resumo


Este ensaio discute as restrições verificadas no cotidiano acadêmico das áreas de Ciências Humanas no Brasil no que tange aos métodos quantitativos. Desenha-se um histórico da questão em seus aspectos epistemológicos, culturais e políticos e avalia-se a conjuntura atual em que as demandas científicas e sociais bem como os recursos tecnológicos recolocam o debate. Argumenta-se em favor das possibilidades analíticas dos métodos quantitativos para tratar desde outro ângulo questões que, no campo do ensino de História, vêm sendo trabalhadas quase exclusivamente por abordagens qualitativas, sobretudo estudos de caso. Procura-se demonstrar esses argumentos com a apresentação e discussão de alguns dados quantitativos no campo do ensino e aprendizagem histórica escolar e com o relato do uso desses dados em atividades de formação docente, terminando com a indicação de possibilidades futuras para o aprofundamento dessa relação.


Texto completo:

PDF

Referências


AGRESTI, Alan; FINLAY, Barbara. Métodos estatísticos para as ciências sociais. Trad. Lori Viali. 4.ed. Porto Alegre: Penso, 2012.

ANGVIK, M.; BORRIES, B. Youth and History: A comparative European survey on historical consciousness and political attitudes among adolescents. Hamburg: Körber-Stiftung; Heinrich-Heine-Buchh, 1997.

BARROS, José D’A. A história serial e história quantitativa no movimento dos Annales. História Revista, Goiânia, v.17, n.1, p.203-222, 2012. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/hr.v17i1.21693; Acesso em: 29 maio 2016.

BORGES, Jorge Luís. Sobre o rigor na ciência. In: _______. História universal da infâmia. Trad. José Bento. Lisboa: Assírio & Alvim, 1982.

CERRI, Luis F. Tipos de geração de sentido histórico – um ensaio com dados quantitativos. In: SCHMIDT, Maria A.; BARCA, Isabel; URBAN, Ana C. (Org.) Passados possíveis: a educação histórica em debate. Ijuí: Ed. Unijuí, 2014. v.1, p.179-194.

CHIZZOTTI, Antonio. A pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais: evolução e desafios. Revista Portuguesa de Educação, v.16, n.2, p.221-236, 2003.

GIROUX, Henry A. Os professores como intelectuais. Porto Alegre: Artmed, 1997.

GÜNTHER, Hartmut. Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão? Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v.22, n.2, p.201-210, maio/ago. 2006.

LAVILLE, Christian; DIONE, Jean. A construção do saber: manual da metodologia da pesquisa em ciências humanas. Trad. Heloísa Monteiro e Francisco Settineri. Porto Alegre: Artmed; Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2007.

MINAYO, Maria C. S.; SANCHES, Odécio. Quantitativo-Qualitativo: oposição ou complementaridade? Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.9, n.3, p.239-262, jul./set. 1993.

RAMOS, Madalena; CARVALHO, Helena. Os métodos quantitativos no Ensino Superior: uma tipologia de representações. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.35, n.1, p. 15-32, jan./abr. 2009.

RAMOS, Marília P. Métodos quantitativos e a pesquisa em Ciências Sociais. Lógica e utilidade do uso da quantificação nas explicações dos fenômenos sociais. Mediações, Londrina, v.18 n.1, p.55-65, jan./jun. 2013.

SCHMIDT, Maria A. M. S.; GARCIA, Tânia M. B. Pesquisas em Educação Histórica: algumas experiências. Educar, Curitiba, n. especial, p.11-31, 2006.

THOMPSON, Edward P. A miséria da teoria. Ou um planetário de erros. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.




DOI: https://doi.org/10.20949/rhhj.v5i10.272

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Luis Fernando Cerri

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia