A música nas aulas de história: o debate teórico sobre as metodologias de ensino

Olavo Pereira Soares

Resumo


Este artigo analisa concepções metodológicas diferentes acerca da utilização da música nas práticas de ensino de história. Inicialmente, analisamos as metodologias que propõem a utilização da música como recurso didático, mas que desestimulam os alunos a aprenderem história. Posteriormente, discorremos sobre a necessidade de valorização, nas práticas de ensino, das relações afetivas que os alunos têm com a música, bem como sobre a necessidade de conhecer a cultura musical dos alunos. Por fim, defendemos uma proposta metodológica de utilização das músicas nas aulas de história que considere a cultura musical dos alunos, bem como as capacidades cognitivas de professores e alunos para produzir conhecimento histórico a partir da análise de músicas elaboradas e difundidas em diferentes tempos e espaços.

 

Palavras-chave: música no ensino; ensino de história; atividade de ensino.


Texto completo:

PDF

Referências


ABUD, Katia M. Registro e representação do cotidiano: a música popular na aula de história. Cadernos Cedes, Campinas, v.25, n.67, p.309-317, set./dez. 2005.

BRASIL: Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais/História. Brasília: MEC/SEF, 1998.

CONTIER, Arnaldo D. Edu Lobo e Carlos Lyra: o Nacional e o Popular na Canção de Protesto (Os Anos 60). Revista Brasileira de História, São Paulo, v.18, n.35, p.13-52, 1998. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01881998000100002&lng=pt&nrm=iso.

DUARTE, Milton D. F. A música e a construção do conhecimento histórico em aula. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, 2011.

FONSECA, Selva G. Didática e prática de ensino de história. Campinas: Papirus, 2003.

HERMETO, Miriam. Canção popular brasileira e ensino de história: palavras, sons e tantos sentidos. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

LEONTIEV, Alexei N. Actividad, conciencia y personalidad. Buenos Aires: Ediciones Ciencias del hombre, 1978.

_______. Uma contribuição à teoria do desenvolvimento da psique infantil. In: VYGOTSKY, Lev S. (et al.) Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. Trad. Maria da Penha Villalobos. 8.ed. São Paulo: Ícone, 2001. p.59-83.

LIBÂNEO, José Carlos. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.38, n.1, p.13-28, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022012000100002&lng=pt&nrm=iso.

MELLO, Sueli A. Ensinar e aprender a linguagem escrita na perspectiva histórico-cultural. Psicologia Política, São Paulo, v.10, n.20, p.29-343. 2010. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-549X2010000200011&lng=pt&nrm=iso.

NAPOLITANO, Marcos. História & música: história cultural da música popular. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

_______. (et al.) Linguagem e canção: uma proposta para o ensino de história. Revista Brasileira de História, São Paulo, v.7, n.13, p.177-188, 1987.

PARANHOS, Adalberto. Os desafinados: sambas e bambas no “Estado Novo”. São Paulo: Intermeios; CNPq; Fapemig, 2015.

PINO, Angel. As marcas do humano: às origens da constituição cultural da criança na perspectiva de Lev S. Vigotski. São Paulo: Cortez, 2005.

PUENTES, Roberto V.; LONGAREZI, Andréa M. Escola e didática desenvolvimental: seu campo conceitual na tradição da teoria histórico-cultural. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.29, n.1, p.247-271, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-46982013000100012&lng=pt&nrm=iso.

_______.; LONGAREZI, Andréa M. (Org.) Ensino desenvolvimental: vida, pensamento e obra dos principais representantes russos. Uberlândia: Edufu, 2013.

SOARES, Olavo P. A atividade de ensino de história: processo de formação de professores e alunos. Araraquara, SP: Junqueira & Marin, 2008.

_______. O ensino de história nos anos iniciais e a formação dos professores. In: FONSECA, Selva G. (Org.) Ensinar e aprender História: formação, saberes e práticas educativas. Campinas: Átomo e Alínea, 2009. p.127-147.

SOLOVIEVA, Yulia. La formación de las funciones psicológicas en el desarrollo humano. In: BARBOSA, Maria V.; MILLER, Stela; MELLO, Sueli A. (Org.) Teoria histórico-cultural: questões fundamentais para a educação escolar. Marília, SP: Oficina Universitária; Cultura Acadêmica, 2016. p.37-56.

VIGOTSKI, Lev S. Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar. In: _______. (et al.) Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. Trad. Maria da Penha Villalobos. 8.ed. São Paulo: Ícone, 2001a. p.103-117.

_______. A construção do pensamento e da linguagem. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2001b.

_______. Quarta aula: a questão do meio na pedologia. Psicologia USP, São Paulo. v.21, n.4, p.681-701, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-65642010000400003&lng=pt&nrm=iso.

VYGOSTKY, Lev S. Génesis de las funciones psíquicas superiores. In: _______. Obras escogidas III. Madrid: Visor, 2000. p.139-168.

Artigo recebido em 16 de novembro de 2016. Aprovado em 3 de fevereiro de 2017.




DOI: https://doi.org/10.20949/rhhj.v6i11.325

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Olavo Pereira Soares

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia