Canção, ensino e aprendizagem histórica

Luciano de Azambuja

Resumo


O objetivo deste artigo é partilhar alguns dos resultados de uma investigação acerca das protonarrativas escritas por jovens alunos brasileiros e portugueses com base em leituras e escutas de uma canção popular advinda dos seus gostos musicais. Os conceitos estruturantes do quadro teórico foram articulados sobre os referenciais de Rüsen (2001; 2007a; 2007b; 2012); Barca; Schmidt (2009); Marx (2002; 2012); Heller (2008); Forquin (1993); Snyders (1988); Dubet (1994) e Zumthor (1997), entre outros. A metodologia da pesquisa procurou sintetizar as perspectivas dos métodos da pesquisa histórica, métodos de pesquisa em aprendizagem histórica, mediados pelos pressupostos da pesquisa qualitativa etnográfica (Flick, 2004). Os resultados inferidos indicaram que a escritura de protonarrativas da canção pode mobilizar as temporalidades, competências e dimensões da consciência histórica, configurando um ponto de partida significativo de processos de ensino e aprendizagem histórica de jovens alunos.

 Palavras-chave: canção popular; jovens alunos; ensino e aprendizagem histórica. 


Texto completo:

PDF

Referências


AZAMBUJA, Luciano de. Jovens alunos e aprendizagem histórica: perspectivas a partir da canção popular. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2013.

DIAS, Marcia T. Os donos da voz: indústria fonográfica brasileira e mundialização da cultura. São Paulo: Boitempo, 2000.

DUBET, François. Sociologia da experiência. Lisboa: Instituto Piaget, 1994.

HELLER, Agnes. O cotidiano e a história. Trad. Carlos Nelson Coutinho e Leandro Konder. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

FLICK, Uwe. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Trad. Sandra Netz. Porto Alegre: Bookman, 2004.

FORQUIN, Jean-Claude. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1993.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Trad. Wilma Patrícia Maas, Carlos Almeida Pereira; rev. trad. César Benjamim. Rio de Janeiro: Contraponto; Ed. PUC-Rio, 2006.

MEDRANO, Concepción (Coord.) Las historias de vida: implicaciones educativas. Buenos Aires: Alfagrama, 2007.

NETTO, José Paulo. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

_______. (Org.) O leitor de Marx. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

PAIS, José M. Culturas juvenis. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 2003.

RÜSEN, Jörn. Razão histórica. Teoria da história: os fundamentos da ciência histórica. Trad. Estevão de Rezende Martins. Brasília: Ed. UnB, 2001.

_______. Reconstrução do passado. Teoria da história II: os princípios da pesquisa histórica. Trad. Asta-Rose Alcaide. Brasília: Ed. UnB, 2007.

_______. História viva. Teoria da história: formas e funções do conhecimento histórico. Trad. Estevão de Rezende Martins. Brasília: Ed. UnB, 2007.

_______. Aprendizagem histórica: fundamentos e paradigmas. Trad. Peter Horst Rautmann, Caio da Costa Pereira, Daniel Martineschen e Sibele Paulino. Curitiba: W.A. Editores, 2012.

SCHMIDT, Maria A.; BARCA, Isabel (Org.) Aprender história: perspectivas da educação histórica. Ijuí, RS: Ed. Unijuí, 2009.

SNYDERS, Georges. Alegria na escola. São Paulo: Manole, 1988.

TATIT, Luís. O século da canção, SP Cotia: Ateliê Editorial, 2004.

ZUMTHOR, Paul. Introdução à Poesia Oral. São Paulo: Hucitec, 1997.

Artigo recebido em 30 de novembro de 2016. Aprovado em 4 de fevereiro de 2017.




DOI: https://doi.org/10.20949/rhhj.v6i11.333

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Luciano de Azambuja

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia