Usos públicos da história: origens do debate e desdobramentos no ensino de história

Ana Lima Kallás

Resumo


O artigo tem como objetivo discutir o boom dos usos públicos da história nas sociedades contemporâneas. Para isso, busca-se apresentar as origens históricas da expressão, qual seja, a “querela entre historiadores” localizada na Alemanha acerca do nazismo, e suas mudanças e desenvolvimento, ultrapassando o marco espacial e de significação originais. A partir disso, intenta-se abordar três casos em que se destacam os usos públicos da história, a saber, os revisionismos históricos, a história pública e o ensino de história. Os três campos, apesar de suas singularidades, mantêm interfaces com a memória, interagindo permanentemente entre si e contribuindo para forjar sentidos de passado na contemporaneidade. Constituem, portanto, espaços fundamentais de disputa de hegemonia, marcados por conflitos intensos, podendo servir para reforçar a passividade ou para construir olhares participativos e transformadores.


Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor. Educação após Auschwitz. In: COHN, Gabriel. (Org.) Theodor Adorno. Sociologia. São Paulo: Ática, 1986, p.33-45.

ADORNO, T. & HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento. Fragmentos filosóficos. Trad. Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento. Entre práticas e representações. São Paulo/Brasília: HUCITEC/Ed. UnB, 1987.

BENJAMIN, Walter. Experiência e pobreza. In: ____ Magia e técnica, arte e política. 8a ed. São Paulo: Brasiliense, 2012.

BURKE, Peter (Org.). A Escrita da História: novas perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992.

CHARTIER, Roger. Textos, impressões e leituras. In: ____ A história cultural. Entre práticas e representações. Lisboa: DIFEL, 1988.

GAGNEBIN, Jeanne. Lembrar, escrever, esquecer. São Paulo: editor 34, 2006.

GALLERANO, Nicola. Historia y uso público de la historia. In: Pasajes: Revista de Pensamiento Contemporáneo, 2007, n.24, p.87-97. p.87. Disponível em: www.roderic.uv.es Acesso em: 2 fev. 2017.

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes. O cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela Inquisição. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

HABERMAS, Jürgen. A história é parte de nós. Por que se concedeu o prêmio da democracia a Daniel J. Goldhagen? Textos de história, v.5, nº 1, 1997, p.127-133.

HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da esfera pública. Investigações sobre uma categoria da sociedade burguesa. Trad. Denilson Luís Werle. São Paulo: Editora Unesp, 2014.

HABERMAS, Jürgen. Tendências apologéticas. Trad. Márcio Suzuki. In: Novos Estudos, n.25, out. 1989, p.16-27.

HARTOG, François. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Trad. Andréa S. de Menezes, Bruna Breffart, Camila R. Moraes, Maria Cristina de A. Silva e Maria Helena Martins. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

HUYSSEN, Andreas. Culturas do passado-presente. Modernismos, artes visuais, políticas da memória. Rio de Janeiro: Contraponto/MAR, 2014.

GOMES, Angela de Castro. Cultura Política e Cultura histórica no Estado Novo. In: ABREU, M., SOIHET, R. e GONTIJO, R. Cultura Política e Leituras do Passado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, Faperj, 2007.

KOSELLEK, Reinhart. O conceito de história. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2013.

LIDDINGTON, Jill. O que é história pública? Os públicos e seus passados. In: ALMEIDA, Juniele & ROVAI, Marta Gouveia. (Org.) Introdução à História Pública. São Paulo: Letra e Voz, 2011, p.31-52.

MELO, Demian. Revisão e revisionismo historiográfico: os embates sobre o passado e as disputas políticas contemporâneas. Marx e o marxismo, v.1, n.1, jul./dez. 2013.

MONTEIRO, Ana Maria. Ensino de História: entre memória e história. In: I Seminário de Pesquisa e Prática Educativa. Os desafios da pesquisa no ensino de história. Seropédica, UFRRJ, mai. 2009. Anais.

Disponível em: http://www.ufrrj.br/graduacao/prodocencia/publicacoes/pesquisa-pratica-educacional/artigos/artigo1.pdf Acesso em: 14 dez. 2016.

PINHA, Daniel. Ampliação e veto ao debate público na escola: história pública, ensino de história e o projeto ‘Escola Sem Partido’. In: Revista Transversos, Rio de Janeiro, v.7, n.7, set. 2016, p.11-34.

ROCHA, Helenice. A presença do passado na aula de história. In: MAGALHÃES, Marcelo et al (Org.). Ensino de história. Usos do passado, memória e mídia. Rio de Janeiro: FGV editora, 2014, p.33-52.

ROSAS, Fernando. História, (des) memória e hegemonia. In: LOPES, Helena Trindade; TRINDADE, Luís; LOUÇÃ, Francisco; ROSAS, Fernando (Org.). História e Memória – “Última lição” de Fernando Rosas (Cerimônia de jubilação de Fernando Rosas). Lisboa: Autores e edições tinta-da-china, 2016, p.41-81.

ROVAI, Marta. A pedra que arde: o direito à memória contra a sedução do esquecimento. Seculum. Revista de História, João Pessoa, n. 23, jul-dez.2010.

RÜSEN, Jörn. ¿Qué es la cultura histórica? Reflexiones sobre una nueva manera de abordar la historia. Culturahistórica. [Versão castellana inédita do texto original alemão em K. Füssmann, H.T. Grütter y J. Rüsen, eds. (1994). Historische Faszination. Geschichtskultur heute. Keulen, Weimar y Wenen: Böhlau, pp. 3-26].

Disponível em: www.culturahistorica.es Acesso em: 3 fev. 2017.

SARLO, Beatriz. Tiempo Pasado. Cultura de la memoria y giro subjetivo. Una discusión. México, DF: Siglo XXI editores, 2006.

SOUTELO, Luciana. A memória pública sobre a Revolução e a ditadura em Portugal: da valorização do antifascismo ao desenvolvimento do revisionismo histórico. In: LUÍS, Rita; SOUTELO, Luciana; SILVA, Carla Luciana (Org.). A revolução de 1974-75: repercussão na imprensa internacional e memória (s). Instituto de História Contemporânea: Lisboa, 2014, p.114-127.

TRAVERSO, Enzo. El pasado. Instrucciones de uso. Historia, memoria, política. Madrid/Barcelona: Marcial Pons, Ediciones Jurídicas y Sociales, S.A., 2007.

WILLIAMS, Raymond. Marxismo y Literatura. Trad. Pablo di Masso. Barcelona: Ediciones Península, 1988.




DOI: https://doi.org/10.20949/rhhj.v6i12.351

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Ana Lima Kallás

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia