Educação Patrimonial e Ensino de História nas áreas metropolitanas

Lucília Santos Siqueira

Resumo


Este artigo reflete sobre como o Ensino de História pode qualificar as atividades educativas do campo do patrimônio cultural e como este, por sua vez, pode colaborar para aprimorar o entendimento de certos conteúdos de história. Parte-se da necessidade de promover educação patrimonial para os grupos que vivem em áreas metropolitanas, em contextos culturais que não são particulares e tampouco estáveis e, portanto, para os quais não se pode trabalhar na perspectiva de identificação das referências culturais, de reconhecimento de uma memória comum. Por meio de reflexões engendradas na formação de professores de História em Guarulhos (SP), discute como formar cidadãos e alunos para participar do debate público em torno da preservação do patrimônio.


Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Martha. Cultura imaterial e patrimônio histórico nacional. IN: ABREU, Martha; SOIHET, Rachel e GONTIJO, Rebeca (orgs.). Cultura política e leituras do passado: historiografia e ensino de história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira/FAPERJ, 2007, p. 351-370.

BEZERRA, Marcia e SILVEIRA, Flávio Leonel Abreu da. Educação Patrimonial: perspectivas e dilemas. IN: LIMA FILHO, Manuel Ferreira e outros (orgs.). Antropologia e patrimônio cultural: diálogos e desafios contemporâneos. Blumenau: Nova Letra, 2007, p.81-97.

CAMARGO, Haroldo Leitão. Patrimônio histórico e cultural. São Paulo: Aleph, 2002.

CHUVA, Márcia. O ofício do historiador: sobre ética e patrimônio cultural. IN: Anais da I Oficina de Pesquisa: a pesquisa histórica no Iphan. Rio de Janeiro: COPEDOC/Iphan, 2008, p.27-43. (Patrimônio: práticas e reflexões 2)

FLORENCIO, Sonia Rampim e outros. Educação Patrimonial: histórico, conceitos e processos. Brasília: Iphan/DAF/Cogedip/Ceduc, 2014, p.5-28.

FUENTES, Juan Francisco; SEBASTIÁN, Javier Fernández. Historia conceptual, memoria e identidade (I e II): entrevista a Reinhart Koselleck. Revista de Libros. Madrid, n.112, p.6-10, abr.2006.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. A retórica da perda: discurso nacionalista e patrimônio cultural no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ, 2002.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. The Dark Side of the Moon. Vibrant: Virtual Brazilian Anthropology. Brasília, v.1, n.1/2, p.190-207, jan.dez./2004.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Ressonância, materialidade e subjetividade: as culturas como patrimônios. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 11, n.23, p.15-36, jan./jan.2005.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Os limites do patrimônio. IN: LIMA FILHO, Manuel Ferreira; ECKERT, Cornélia e BELTRÃO, Jane (orgs.). Antropologia e patrimônio cultural: diálogos e desafios contemporâneos. Blumenau: Nova Letra, 2007, p.239-248.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. O patrimônio como categoria de pensamento. IN: ABREU, Regina e CHAGAS, Mário (orgs.). Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: Lamparina, 2009, p.25-33.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. As transformações do patrimônio: da retórica da perda à reconstrução permanente. IN: TAMASO, Isabela e LIMA FILHO, Manuel Ferreira. Antropologia e patrimônio cultural: trajetórias e conceitos. Brasília: ABA, 2012, p.59-73.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. O mal-estar no patrimônio: identidade, tempo e destruição. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v.28, n.55, p.211-228, jan.jun./2015.

HARTOG, François. Tempo e patrimônio. Varia Historia. Belo Horizonte, v.22, n.36, p.261-273, jul.dez./2006.

HARTOG, François. Patrimônio e presente. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2013, p. 193-245.

HURLEY, Andrew. Narrating the Urban Waterfront: The Role of Public History in Community Revitalization. Public Historian. v.28, n.4, p.19-50, 2006. Disponível em: http://tph.ucpress.edu/content/28/4/19. Acesso em 12 nov. 2012.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL (Brasil). Relatório do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial. Disponível em:

http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/II_encontro_nacional_de_educ_patrimonial . Acesso em: 8 nov. 2016.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL (Brasil). Educação Patrimonial na Escola. Disponível em:

http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/educacao_patrimonial_na_escola. Acesso em: 8 nov. 2016.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL (Brasil). Educação Patrimonial: inventários participativos: manual de aplicação. Texto Sônia Regina Rampim Florêncio e outros. Brasília: Iphan, 2016.

MARINS, Paulo César Garcez. Novos patrimônios, um novo Brasil? Um balanço das políticas patrimoniais federais após a década de 1980. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v.29, n.57, p.9-28, jan.-abr./2016.

MENESES, Ulpiano Bezerra de. Do teatro da memória ao laboratório da História: a exposição museológica e o conhecimento histórico. Anais do Museu Paulista. São Paulo, Nova Série, v.2, p.9-42, jan./dez.1994.

MENESES, Ulpiano Bezerra de. O campo do patrimônio cultural: uma revisão de premissas. I FÓRUM NACIONAL DE PATRIMÔNIO CULTURAL. 2009, Ouro Preto. Conferência Magna. Brasília: Iphan, 2012, p.25-39.

Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/Anais2_vol1_ForumPatrimonio.

Acesso em: 13 abr. 2017.

MONTEIRO, Ana Maria F.C. Aulas de História: questões do/no tempo presente. Educar em Revista. Curitiba, n.58, p.165-182, out./dez.2015.

SCIFONI, Simone. Educação e patrimônio cultural: reflexões sobre o tema. IN: TOLENTINO, Átila (org.). Educação patrimonial: reflexões e práticas. Caderno Temático 2. João Pessoa: Iphan-PB, 2012, p.30-37.

SCIFONI, Simone. Para repensar a educação patrimonial. IN: PINHEIRO, Adson Rodrigo (org.). Cadernos do patrimônio cultural: educação patrimonial. Fortaleza: Seccultfor/Iphan, 2015a, p.195-206.

SCIFONI, Simone. Cultura e problemática urbana. IN: CARLOS, Ana Fani Alessandri (org.). Crise urbana. São Paulo: Contexto, 2015b, p.129-142.

SMITH, Laurajane.’Man’s inhumanity to man’ and other platitudes of avoidance and misrecognition: an analysis of visitor responses to exhibitions marking the 1807 bicentenary. Museum and Society. nov.2010, n.8 (3), p. 193-214. Disponível em: http://www2.le.ac.uk/departments/museumstudies/museumsociety/documents/volumes/smith

Acesso em 12 jan. 2016.

SIQUEIRA, Lucília S. O nascimento da América portuguesa no contexto imperial lusitano. Considerações teóricas a partir das diferenças entre a historiografia recente e o ensino de História. História (São Paulo). Franca, v.28, n.1, p.99-125, 2009.

SIQUEIRA, Lucília S. A construção da memória, a ideia de patrimônio histórico e o ofício do historiador. IN: LEAL, Elisabete e PAIVA, Odair da Cruz (orgs.). Patrimônio e História. Londrina: Unifil, 2014, p.63-71.

SIQUEIRA, Lucília S. O conhecimento sobre o passado dos bens tombados que abrigam museus: o Solar do Barão de Jundiaí (Jundiaí/SP) e a Casa de Prudente de Moraes (Piracicaba/SP). Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v.29, n.57, p.169-194, jan.-abr./2016.

TOLENTINO, Átila. O que não é educação patrimonial: cinco falácias sobre seu conceito e sua prática. IN: TOLENTINO, Átila e BRAGA, Emanuel (orgs.). Educação patrimonial: políticas, relações de poder e ações afirmativas. Caderno Temático 5. João Pessoa: Iphan-PB; Casa do Patrimônio da Paraíba, 2016, p.38-48.

ZANIRATO, Silvia Helena. Usos sociais do patrimônio cultural e natural. Patrimônio e Memória. São Paulo, v.5, n.1, p.137-152, out.2009.




DOI: https://doi.org/10.20949/rhhj.v8i15.362

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Lucília Santos Siqueira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia