Projeto Pipoca Clássica: o uso do cinema como ferramenta para discussão e ensino da Antiguidade Clássica

Carolina Kesser Barcellos Dias, Dayanne Dockhorn Seger, Milena Rosa Araújo Ogawa

Resumo


A comunicação entre pesquisadores e público geral é um debate crescente em diversas áreas, que visa cobrir o grande vazio que existe entre o que produzimos para “nossos pares” e o restante do público. Nesse enfrentamento, surge a necessidade de explicar o porquê de estudar sociedades tão cronologicamente distantes de nós, (re)significando-as com questões que podem ser problematizadas no presente. Assim, entendemos que as produções cinematográficas podem servir como um veículo didático-pedagógico, pois estas proporcionam a tridimensionalização de um período histórico temporal que por muitas vezes é trabalhado em sala de aula de forma pouco abrangente. Nessa perspectiva, o presente artigo visa apresentar e discutir as experiências ocorridas dentro do projeto de extensão Pipoca Clássica, que buscou um diálogo multidisciplinar e extramuros através da exibição e posterior discussão de filmes inspirados em temas da antiguidade para o público infanto-juvenil.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: história, geografia. Brasília: mec/sef, 1997.

BALTHAZAR, Gregory da Silva. Cleópatra(s) de Plutarco: As Múltiplas Faces da Última Monarca do Antigo Egito nas Vidas Paralelas, Dissertação apresentada ao Programa de Pós Graduação em História do Setor de Ciência Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal do Paraná, UFPR, 2013.

CARLAN, Claudio; FUNARI, Pedro Paulo; FUNARI, Raquel. Cinema e o Mundo Antigo: Antiguidade através da sétima arte. Saarbrücken, Novas Edições Acadêmicas, 2015.

DIAS, Camila Delmondes et al. Divulgando a arqueologia: comunicando o conhecimento para a sociedade. Cienc. Cult., vol. 65, no.2. p.48-52, 2013.

FERRO, Marc. O filme: uma contra análise da sociedade? In: LE GOFF, J. NORA, P. (orgs.). História: novos objetos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976.

HOLTORF, Cornelius. Archaeology is a brand! Oxford: Routledge, 2007.

MARWICK, Ben. Self-image, the long view and archaeological engagement with film: an animated case study. World Archaeology Vol. 42(3). p. 394-404, 2010.

MCGEOUGH, Kevin. Heroes, Mummies, and Treasure: Near Eastern Archaeology in the Movies. Near Eastern Archaeology, 69. p. 174-185, 2006

ROSENSTONE, Robert. The Historical Film as Real History. Film-Historia, Vol. V, No.1. p. 5-23, 1995.

SILVA, Semíramis Corsi Silva; FIGUEIREDO, Daniel de. História e Cinema em Sala de Aula: reflexões a partir do filme “Alexandria”, de Alejandro Amenábar. Revista Chrônidas. Goiânia: Universidade Federal de Goiás. Ano V, N. 14. p. 110-134, 2012.

SILVA, Thais Rocha da. O sorriso da esfinge: reflexões sobre o ensino do Egito antigo no Brasil. In: LEMOS, Rennan. O Egito Antigo: Novas contribuições brasileiras. 1ª Edição. Rio de Janeiro: Multifoco, 2014. p. 279-300.

VAN DYKE, Ruth. Seeing the Past: Visual Media in Archaeology. American Anthropologist, 108. p. 370-384, 2006.

ZAPATERO, Gonzalo Ruiz; CASTAÑO, Ana Maria Mansilla. Arqueologia e Cinema: uma história em comum. Revista Arqueologia Pública. São Paulo, nº 3. p. 19-31, 2008.




DOI: https://doi.org/10.20949/rhhj.v6i12.368

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Carolina Kesser Barcellos Dias, Dayanne Dockhorn Seger, Milena Rosa Araújo Ogawa

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia