Relações de gênero e educação: crítica aos projetos de lei “Escola Sem Partido”

Ana Paula Hilgert de Souza

Resumo


Na conjuntura política atual, em que a garantia de um estado laico encontra-se ameaçada por interesses políticos de determinados grupos de legisladores da nação, a educação vem sendo cerceada de princípios básicos garantidos pela Lei de Diretrizes e Bases (nº 9.394/96), tais como liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, o pensamento, a arte e o saber; pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas; respeito à liberdade e apreço à tolerância. O artigo discute o modo como esses três princípios vem sendo negligenciados por concepções político-religiosas através de estratégias políticas de determinados grupos que levantam hoje a bandeira de um ideal propagado como “escola sem partido”. Também reflete o modo como a crítica aos conteúdos escolares, que versam sobre a identidade de gênero e a sexualidade, está atrelada aos objetivos dos adeptos do MESP - Movimento Escola sem Partido.


Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL. Presidência da República. Lei 9.394/1996. Estabelece as diretrizes e bases da

educação nacional. 20 Dez. 1996. Disponível em:

/leis/L9394.htm>. Acesso em 10 de julho de 2017.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais –

Orientação Sexual. Brasília: MEC/SEF, v. 10, 1997b. Disponível em:

gov.br/seb/arquivos/pdf/orientacao.pdf>. Acesso em 13 de julho de 2017.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Projeto de Lei 867/2015. Inclui, entre as diretrizes e

bases da educação nacional, o “Programa Escola sem Partido” – Apensado ao PL

/2014. Brasília: 23 mar. 2015a. (Disponível em:

proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1230836&filename=PL+7180/2014>). Acesso em 13 de julho de 2017.

CAVALCANTE, Paulo; MATTOS, Yllan de. Quem é o doutrinador? Disponível em: http://www.vermelho.org.br/noticia/289907-1. Acesso em 13 de julho de 2017.

CORRÊA, Vera. A formação político pedagógica do professor: desafios da escola básica. Revista ADVIR, n. 5, p. 46-50, abril de 1995. (Associação de Docentes da Universidade Estadual do Rio de Janeiro).

FIGUEIRÓ, Mary Neide Damico. A viabilidade dos Temas Transversais à luz da questão do trabalho docente. PSI Revista de Psicologia Social e Institucional. Londrina, v. 2, n.1, jun. 2000. Disponível em: http://www.uel.br/ccb/psicologia/revista/textov2n12

.htm. Acesso em 12 de julho de 2017.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 60. ed. Rio de Janeiro: Paz &Terra, 2014.

GENTILI, Pablo (org.). Pedagogia da exclusão: o neoliberalismo e a crise da escola pública. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

MIGUEL, Luis Felipe. Da “doutrinação marxista” à "ideologia de gênero": Escola

Sem Partido e as leis da mordaça no parlamento brasileiro. Direito e Práxis. Rio de

Janeiro, v.7, n.15, 2016. (Disponível em:

php/revistaceaju/article/view/25163>) Acesso em: 20 de julho de 2017.

MOURA, Fernanda Pereira de. “ESCOLA SEM PARTIDO”: Relações entre estado, educação e religião e os impactos no Ensino de História. 2016. 189 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de História) - Instituto de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

PENNA, Fernando de Araújo. O Escola sem Partido como chave de leitura do fenômeno educacional In FRIGOTTO, Gaudêncio. ESCOLA SEM PARTIDO: Esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de janeiro: UERJ, 2017.

______________________. O ódio aos professores se profissionaliza. [S.l.], 14 nov. 2016d. (Disponível em: https://professorescontraoescolasempartido.wordpress.com

/2016/11/14/o-odio-aos-professores-se-profissionaliza). Acesso em: 29 junho de 2017.

RAMOS, Sandra Lima de Vasconcelos. Não se combate o que não existe. Ideologia de gênero: contra fatos não há argumentos. Jornal Capital das Nascentes: Santa Catarina, dezembro de 2016. (Disponível em: http://jornalaw.com.br/2016/12/10/fala-a-professora/) Acesso em: 30 de junho de 2017.

SCALLA, JORGE. Ideologia de gênero: neototalitarismo e a morte da família. São Paulo: Katechesis, 2011.

TOKARNIA, Mariana. MEC retira termo “orientação sexual” da versão final da Base Curricular. Agencia Brasil EBC: Brasília, abril de 2017. (Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2017-04/mec-retira-termo-orientacao-sexual-da-versao-final-da-base- curricular). Acesso em: 20 de julho de 2017.




DOI: https://doi.org/10.20949/rhhj.v7i13.404

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Ana Paula Hilgert de Souza

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia