Ensino de História: passados vivos e educação em questões sensíveis

Nilton Mullet Pereira, Fernando Seffner

Resumo


Este artigo aborda temas socialmente controversos e sensíveis no âmbito do ensino de história. As questões socialmente vivas se constituem na contemporaneidade em objetos privilegiados dos currículos de história, em função, por um lado, das demandas sociais de grupos identitários e, de outro, dos movimentos que buscam interferir na liberdade de ensinar e no direito de aprender, direitos assegurados na Constituição Federal de 1988. O artigo quer construir a categoria de passado vivo como elemento central na constituição de currículos de ensino de história e, para isso, se vale de um duplo movimento: a produtividade dos conceitos de residualidade e remanescência, e a decidida conexão da prática docente em história com o campo da educação em direitos humanos. Ao final, discutem-se algumas cenas escolares onde tais questões foram enfrentadas.


Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. Regimes de historicidade: como se alimentar de narrativas temporais através do ensino de história. In: GABRIEL, Carmen Teresa; MONTEIRO, Ana Maria; MARTINS, Marcus Leonardo Bonfim. (Orgs.). Narrativas do Rio de Janeiro nas aulas de história. Rio de Janeiro: Mauad, 2016. p. 21-42.

BLOCH, Howard R. Misoginia medieval e a invenção do amor romântico ocidental. Tradução de Cláudia Moraes. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

BONDÍA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira da Educação, Rio de Janeiro, n. 19, 2002.

BRASIL. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 dez. 2017.

______. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Educação em direitos humanos: diretrizes nacionais. Brasília: Coordenação Geral de Educação em SDH/PR, 2013. Disponível em: . Acesso em: 25 dez. 2017.

FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

GIACOMONI, Marcello Paniz; PEREIRA, Nilton Mullet. (Orgs.). Jogos e ensino de história. Porto Alegre: Evangraf, 2013.

GIL, Carmen Zeli de Vargas et al. Ensinar, pesquisar, ensinar: a experiência dos Mestrados Profissionais. PerCursos, Florianópolis, v. 18, p. 8-32, 2017.

GIL, Carmen Zeli de Vargas; SEFFNER, Fernando. Dois monólogos não fazem um diálogo: jovens e ensino médio. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 41, n. 1, p. 175-192, 2016.

GOMES, Ana Valeska Amaral. Gestão democrática no Plano Nacional de Educação. In: GOMES, Ana Valeska Amaral; BRITTO, Tatiana Feitosa. Plano Nacional de Educação: construção e perspectivas. Brasília: Câmara dos Deputados, 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 dez. 2017.

JENKINS, Keith. A História repensada. Tradução de Mario Vilela. Revisão Técnica de Margareth Rago. São Paulo: Contexto, 2001

MACEDO, José Rivair. Sobre a Idade Média Residual no Brasil. In: ______. (Org.). A Idade Média portuguesa e o Brasil: reminiscências, transformações, ressignificações. Porto Alegre: Vidráguas, 2011. p. 9-20.

MEINERZ, Carla Beatriz et al. (Orgs.). Caderno pedagógico de história Pibid/UFRGS: saberes e práticas de professores de História em formação. Porto Alegre: UFRGS, 2013.

MOUFFE, Chantal. Democracia, cidadania e a questão do pluralismo. Política & Sociedade, Florianópolis, n. 3, p. 11-26, out. 2003. Disponível em: . Acesso em: 28 dez. 2017.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Plano de ação: Programa Mundial para Educação em Direitos Humanos – primeira etapa. Genebra: Unesco; EACDH, 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 dez. 2017.

______. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Rio de Janeiro: Unic Rio, 2009. Disponível em: . Acesso em: 25 dez. 2017.

PEREIRA, Nilton Mullet. A invenção do medievo: narrativas sobre a Idade Média nos livros didáticos de história. In: ROCHA, Helenice; REZNIK, Luís; MAGALHÃES, Marcelo de Souza (Orgs.). Livros didáticos de história: entre políticas e narrativas. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2017a. p. 169-184.

______. Ensino de história e resistência: notas sobre uma história menor. In: PAIM, Elison Antônio (Org.). Patrimônio cultural e escola: Florianópolis: UFSC, 2017b. p. 227-246.

PEREIRA, Nilton Mullet; GITZ, Ilton. Ensinando sobre o Holocausto na escola: informações e propostas para professores dos ensinos fundamental e médio. Porto Alegre: Penso, 2013.

PEREIRA, Nilton Mullet; RODRIGUES, Mara Cristina de Matos. Ensino de história e passado Prático: notas sobre a BNCC. In: HALFERD, Carlos Ribeiro Junior; VALÉRIO, Mairon Escorsi (Orgs.). Ensino de história e currículo. Jundiaí: Paco Editorial, 2017. p. 27-46.

QUIJANO, Aníbal. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005.

SEFFNER, Fernando. Leitura e escrita na história. In: NEVES, Iara Conceição Bitencourt et al. (Orgs.). Ler e escrever: compromisso de todas as áreas. Porto Alegre: UFRGS Editora, 1998. p. 105-118.

______. Modus vivendi, liberdade religiosa e liberdade sexual: o que a escola tem a ver com isso? In: NARDI, Henrique Caetano; MACHADO, Paula Sandrine; SILVEIRA, Raquel da Silva. (Orgs.). Diversidade sexual e relações de gênero nas políticas públicas: o que a laicidade tem a ver com isso? Porto Alegre: Editora Deriva; Abrapso, 2015. p. 81-104.

______. Escola pública e professor como adulto de referência: indispensáveis em qualquer projeto de nação. Educação Unisinos, São Leopoldo, v. 20, n. 1, p. 48-57, 2016.

______. Escola pública e função docente: pluralismo democrático, história e liberdade de ensinar. In: MACHADO, André Roberto; TOLEDO, Maria Rita de Almeida (Orgs.). Golpes na História e na escola: o Brasil e a América Latina nos séculos XX e XXI. São Paulo: Cortez, 2017a. p. 199-216.

______. Ocupar é viver a escola. In: CATTANI, Antonio David (Org.). Escolas ocupadas. Porto Alegre: CirKula, 2017b. p. 13-40.

SEFFNER, Fernando et al. Conexões entre escola e universidade: o PIBID e as estratégias de residência docente. Revista História Hoje, São Paulo, v. 4, n. 8, p. 366-388, 2016.

SEFFNER, Fernando; PEREIRA, N. M. História, leitura e escrita no ensino médio. In: PEREIRA, N. M. et. al. (Orgs.). Ler e escrever: compromisso no Ensino Médio. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008, p. 165-178.

SEFFNER, Fernando; PICCHETTI, Yara de Paula. A quem tudo quer saber, nada se lhe diz: uma educação sem gênero e sem sexualidade é desejável? Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 24, n. 1, p. 61-81, 2016.

WHITE, Hayden. The practical past. Evanston: Northwestern University Press, 2014.

WHITE, Hayden: Meta-história: A imaginação Histórica do Século XIX. Tradução de José Laurênio de Melo, São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1995




DOI: https://doi.org/10.20949/rhhj.v7i13.427

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Nilton Mullet Pereira, Fernando Seffner

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia