Aulas de História e os Direitos das Crianças e dos Adolescentes: entre possibilidades e desafios

Humberto Silva Miranda

Resumo


O que faz uma criança ou um adolescente se tornarem “sujeito de direitos”? Qual a relação do Ensino de História com os direitos humanos desses agentes sociais? A partir dessas perguntas, pretende-se problematizar a relação do saber histórico escolar com os direitos humanos das crianças e dos adolescentes, procurando questionar as possibilidades e os desafios vivenciados nas aulas de história frente às novas formas de entender as culturas infantis. A partir da promulgação do Estatuto da Criança e do Adolescente, a sociedade brasileira firmou um novo compromisso político com a forma de pensar as infâncias e este deve ser vivenciado nos espaços sociais onde esses meninos e meninas circulam. O Ensino de História se relaciona diretamente com esta questão e a partir da sua prática podemos efetivar o princípio reconhecido pelo Estatuto de conceber esses agentes sociais como “sujeitos de direitos”.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, Cinthia Monteiro de. Alianças entre o PNEDH e o ensino de história: concepções docentes sobre as relações entre educação e direitos humanos. Educação (Porto Alegre, impresso), v. 36, n. 1, p. 67-73, jan./abr. 2013.

ARIÈS, Philippe. História Social da Criança e da Família. 2ª Ed. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

ARROYO, Miguel. Imagens quebradas: trajetórias e tempos dos alunos e mestres. Rio de Janeiro: Vozes, 2014.

BRASIL. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – Conanda. Resolução 181. Brasília, 2016.

_______. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – Conanda. Resolução 191. Brasília, 2017.

_______. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei 8.069/1990. Brasília: 1990.

_______. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: 2013.

CANDIOTTO, Cesar. Sujeito, agnóstica e seus desdobramentos políticos no pensamento de Michel Foucault. In: NALI, Marcos & VARGAS, Sonia Regina (Orgs). Michel Foucault: desdobramentos. Belo Horizonte: Autentica Editora, 2016. p. 29 –39.

CASTRO, Lucia Rabello de. A infância e seus destinos no contemporâneo. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 47-58, jun. 2002.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. p. 231- 249.

GIROUX, Henry e PENNA, Anthony. Educação Social em sala de Aula: a dinâmica do currículo oculto. In: GIROUX, Henry. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. São Paulo: Artmed, 1997. p. 55-77

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. O presente do passado: as ates de Clio em tempos de memória. In: ABREU, M; GONTIJO, R.; SOHIET, R. (Org.) Cultura Política e leituras do passado: historiografia e ensino de história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. p. 25-41.

GUIMARÃES, Selva. Ensinar história: formar cidadãos no Brasil democrático. In: GUIMARÃES, Selva. Ensino de História e Cidadania. São Paulo: Papirus, 2016. p. 75-105

HUNT, Lynn. A invenção dos Direitos Humanos: uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

MARCHI, Rita de Cássia. As Teorias da Socialização e o Novo para Socialização Paradigma os Estudos e Sociais da Infância. Educação & Realidade, vol. 34, núm. 1, janeiro-abril, 2009, pp. 227-246.

MIRANDA, Humberto da Silva. Nos tempos das Febems: memórias de infâncias perdidas (Pernambuco / 1964-1985). Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em História. Recife: UFPE, 2014.

_______. Entre ruas e praças: a trajetória do Movimento Nacional de Meninos e Meninas de Rua no Recife (1980). Anais do XXVIII Simpósio Nacional de História. Florianópolis: ANPUH, 2015

PAES, Paulo Cesar Duarte. Redução da Maioridade Penal, sofrimento e criminalização da pobreza. In: PAES, Paulo Cesar Duarte; ADIMARI, Maria Fernandes; COSTA, Ricardo Peres (Orgs). Socioeducação e Intersetorialidade. Campo Grande: Editora da UFMS, 2015. p. 85-95

PINHEIRO, Ângela. Criança e adolescente no Brasil: porque o abismo entre a lei e a realidade. Fortaleza: Editora da UFC, 2006.

SANTOS, Boaventura de Souza. Direitos humanos, democracia e desenvolvimento. São Paulo: Editora Cortez, 2013.

SCHUCH, Patrice. Práticas de Justiça: antropologia dos modos de governo da infância e da juventude no contexto pós-ECA. Porto Alegre: Edidora do UFRGS, 2009.

SILVEIRA, Diogo Soares da. Governamentalidades, saberes e políticas públicas na área de Direitos Humanos de Criança e do Adolescente. In: REZENDE, Heraldo de (Org). Michel Foucault: o governo da infância. Belo Horizonte: Autentica Editora, 2015.

VIANNA, Adriana de Resende. O mal que se adivinha: polícia e menoridade no Rio de Janeiro, 1910 – 1920. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1999.




DOI: https://doi.org/10.20949/rhhj.v7i13.438

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Humberto Silva Miranda

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia