Escola Estatal versus Escola Pública: educação, experiências e produção de conhecimento na perspectiva de ocupações de escolas (Uberlândia – MG, 2016)

Sérgio Paulo Morais, Douglas Gonsalves Fávero, Denise Nunes De Sordi

Resumo


O presente artigo busca analisar a experiência social das ocupações de escolas realizadas em Uberlândia (MG) em outubro/novembro de 2016 quando os estudantes secundaristas assumiram a gestão das escolas em protesto contra a PEC 241, a Reforma do Ensino Médio e o programa Escola sem Partido. Pautas articuladas com questões locais como a estrutura precária das escolas, a verticalização da gestão escolar e críticas ao modelo de ensino-aprendizagem. Após a recomposição do movimento de ocupações analisa-se a relação colocada para a educação a partir de novas práticas vividas, sobretudo no tocante ao ensino, que, em protesto, almejaram uma nova escola, centrada em novos valores e projetos. Portanto, ao tornar pública a escola do Estado, os estudantes secundaristas deixaram um legado futuro para a transformação do ensino e das escolas.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Decreto-Lei nº 477, de 26 de fevereiro de 1969. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 26 fev. 1969. Seção 1, p. 1706. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2018.

______. Orientações curriculares para o ensino médio: ciências humanas e suas tecnologias. Brasília: Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Departamento de Políticas de Ensino Médio, 2006. v. 3. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2018.

BRINGEL, Breno. A busca de uma nova agenda de pesquisa sobre os movimentos sociais e o confronto político: diálogos com Sidney Tarrow. Política & Sociedade, v. 10, n. 18, p. 51-73, abr. 2011.

CAMPOS, Antonia; MEDEIROS, Jonas; RIBEIRO, Márcio. Escola de. Lutas. São Paulo, Ed. Veneta, 2016. (Coleção Baderna).

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação). A reforma do ensino médio: Suprime direitos, privatiza a educação e terceiriza os/as trabalhadores/as escolares. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 20, p. 337-343, jan./jun. 2017. Disponível em: . Acesso em: 29 mar. 2018.

DE SORDI, Denise Nunes; MORAIS, Sérgio Paulo. “Os estudantes ainda estão famintos!”: ousadia, ocupação e resistência dos estudantes secundaristas no Brasil. Religacion. Revista de Ciências Sociales y Humanidades. Quito, n. 2, p. 25-43, Jun. 2016.

DONOSO, Sophia. La reconstrucción de la acción colectiva em el chile post-transición: el caso del movimento estudantil. Buenos Aires: Clacso, 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2018.

FALERO, Alfredo. Entre o rigor teórico-metodológico e a criatividade: algumas chaves cognitivas para a pesquisa dos movimentos sociais na América Latina. In: BRINGEL, Breno; GOHN, Maria da Glória (Org.). Movimentos sociais na era global. Petrópolis: Vozes, 2012.

GADOTTI, Moacir. Universidade Popular dos Movimentos Sociais. Breve História de um Sonho Possível. Democracia Viva, Rio de Janeiro, n. 14, p. 78-83, jan. 2003. Disponível em: . Acesso em 25 mar. 2018.

GOHN, Maria da Glória. A sociedade brasileira em movimento: vozes das ruas e seus ecos políticos e sociais. Caderno CRH. Salvador, v. 27, n. 71, p. 431-441, maio/ago. 2014.

MARTINS, Suely Aparecida. E. P. Thompson e a educação: a socialização como experiência. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, v. 14, n. 59, p. 304-317-317, out. 2014.

MARK, Karl. Crítica ao Programa de Gotha. 1875. In: ANTUNES, Ricardo (Org.). A dialética do trabalho: escritos de Marx e Engels. São Paulo: Editora Expressão Popular, 2004.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. As universidades e o regime militar. Cultura política brasileira e modernização autoritária. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2014.

MOTTA, Vânia Cardoso; FRIGOTTO, Gaudêncio. Por que a urgência da Reforma Do Ensino Médio? Medida Provisória nº 746/2016 (Lei nº 13.415/2017). Educação e Sociedade. Campinas, v. 38, n. 139, p.355-372, jun. 2017.

MÜLLER, Angélica O Movimento Estudantil na resistência à Ditadura Militar (1969-1979). Rio de janeiro: Garamond; Faperj, 2016.

ORTELLADO, Pablo. Prefácio. A primeira flor de junho. In: CAMPOS, Antonia; MEDEIROS, Jonas; RIBEIRO, Márcio. Escola de. Lutas. São Paulo, Ed. Veneta, 2016. (Coleção Baderna). p. 10-16.

PORTELLI, Alessandro. A Filosofia e os fatos. Revista Tempo. Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 59-72, 1996.

SVAMPA, Maristella. Movimientos sociales, matrices socio-políticas y nuevos escenarios en América Latina. Working Papers, n.1, Universität Kassel, p. 1-26, 2010.

TARROW, Sidney. Struggling to reform: social movements and policy change during cycles of protest. Occasional Paper, n. 15. Western Societies Program, Center for International Studies. Ithaca: Cornell University, 1985.

THOMPSON, Edward Palmer. A miséria da teoria ou um planetário de erros: uma crítica ao pensamento de Althusser. Tradução de Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

______. Costumes em Comum: estudos sobre a cultura popular tradicional. Tradução de Rosaura Eichemberg. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

______. Educação e experiência. In: ______. Os Românticos: a Inglaterra na era revolucionária. Tradução de Sérgio Moraes Rêgo Reis. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

TILLY, Charles. From mobilization to revolution. Nova York: Random House, 1978.

______. Social movements: 1768-2004. Boulder, CO: Paradigm Publishers, 2004.

______. Movimentos Sociais como Política. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 3, p. 133-160, jan./jul. 2010.

VENDRAMINI, Célia Regina. Experiência humana e coletividade em Thompson.

Esboços, Florianópolis, v. 11, n. 12, p. 25-36, 2004.

ZIBAS, Dagmar M. L. Refundar o ensino médio? Alguns antecedentes e atuais desdobramentos das políticas dos anos de 1990. Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, n. 92, p. 1067-1086, out. 2005.




DOI: https://doi.org/10.20949/rhhj.v8i16.445

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Sérgio Paulo Morais, Douglas Gonsalves Fávero, Denise Nunes De Sordi

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia