Ensino de história e a história pública: os testemunhos da Comissão Nacional da Verdade em sala de aula

Marta Gouveia de Oliveira Rovai

Resumo


O artigo discute o ensino de história com base no conceito de história pública como comprometimento com a produção, divulgação e compartilhamento de passados vivos, no sentido de construção da consciência histórica e compromisso com a democracia. Para que o professor possa orientar em sala de aula o acesso aos testemunhos públicos disponibilizados pela Comissão Nacional da Verdade (CNV) nas redes sociais, o artigo propõe reflexões e sugestões, a fim de que os alunos possam compreender as diferentes narrativas de vítimas e perpetradores de forma sistematizada e sob olhar histórico e ético. Desta forma, pretende-se contribuir para que discursos, principalmente os defendidos pelos agentes da repressão e que estão circulando sem ponderação histórica, sejam analisados como disputas de memória e poder, de forma a combater distorções, revisionismos e negacionismos sobre experiências sensíveis.


Texto completo:

PDF

Referências


ABRÃO, Paulo; TORELLY, Marcelo D. Mutações do conceito de anistia na justiça de transição brasileira: a terceira fase da luta pela anistia In: ABRÃO, Paulo et al. Justiça de transição, direito à justiça, à memória e à verdade. João Pessoa: UFPB, 2014.

ANDRADE, Everardo Paiva; ANDRADE, Nívea. História Pública e educação: tecendo uma conversa, experimentando uma textura. In: MAUAD, A.; ALMEIDA, J.R.; SANTHIAGO, R. História Pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016, p.175-184.

BAUER, Caroline S. Qual é o papel da história pública frente ao revisionismo histórico? In: Que história pública queremos? São Paulo: Letra e Voz, 2018, p.195-205.

CLARK, Mary Marshall. Vídeo-testemunhos sobre o holocausto, história oral, medicina narrativa: a luta contra a indiferença. Oralidades. Universidade de São Paulo, v. 6, jan/jun 2009, p. 150-166

COMISSÃO Nacional da Verdade. Relatório. Brasília: CNV, 2014.

PENNA, Fernando de Araújo; SILVA, Renata Conceição Aquino. As operações que tornam a história pública: a responsabilidade pelo mundo e o ensino de história. In: MAUAD, A.; ALMEIDA, J.R.; SANTHIAGO, R. História Pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016, p.195-205.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento e silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, 2 (3), 1989, p .3-15.

RICOEUR, Paul. Memória, história e esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

RÜSEN, Jörn. Aprendizagem histórica: fundamentos e paradigmas. Curitiba: W.A. Editores, 2012.

SANTHIAGO, Ricardo. História pública e autorreflexividade: da prescrição ao processo. Tempo e Argumento. Florianópolis. v. 10, n. 23, jan./mar. 2018, p. 286 ‐ 309.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. O local do testemunho. Tempo e Argumento. Florianópolis, v. 2, n. 1, jan/jun 2010, p. 3-20.

TELES, Edson L. A. Democracia e estado de exceção. Transição e memória política no Brasil e na África do Sul. 1. ed. São Paulo: Faap-Unifesp, 2015.

WANDERLEY, Sônia. Narrativas contemporâneas de história e didática da história escolar. In: MAUAD, A.; ALMEIDA, J.R.; SANTHIAGO, R. História Pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016, p.207-217.

ZAHAVI, Gerald. Ensinando História Pública no século XXI In: ALMEIDA, Juniele R.; ROVAI, Marta G. O. Introdução à História Pública. São Paulo: Letra e Voz, 2011, p.53-63.




DOI: https://doi.org/10.20949/rhhj.v8i15.506

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Marta Gouveia de Oliveira Rovai

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia