Os historiadores e seus públicos: regimes historiográficos, recepção da história e história pública

Fernando Nicolazzi

Resumo


O artigo discute a relação mantida entre os historiadores e seus públicos a partir da consideração do ato de leitura da história como paradigma da recepção da história. Inicia com a discussão teórica do conceito de regimes historiográficos, considerando-o válido para se estudar a recepção dos textos e demais obras elaboradas pelos historiadores. Em seguida, a noção de operação historiográfica de Michel de Certeau é problematizada, uma vez que desconsidera o papel constitutivo da recepção da história na definição da legitimidade do conhecimento histórico. Finalmente, sugere-se que o pleno entendimento do lugar social e epistemológico ocupado pela historiografia e pelos historiadores e historiadoras no espaço público deve compreender as formas como a história é recebida, e, portanto, apropriada, em diferentes regimes historiográficos.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Juniele Rabêlo de; Rovai, Marta Gouveia de Oliveira (orgs.). Introdução à história pública. São Paulo: Letra e Voz, 2011.

ALMEIDA, Juniele Rabêlo de; Mauad, Ana Maria; Santhiago, Ricardo (orgs.). História pública no Brasil. Sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016.

ALMEIDA, Juniele Rabêlo de; MENESES, Sônia (orgs.). História pública em debate. Patrimônio, educação e mediações do passado. São Paulo: Letra e Voz, 2018.

AMMIANUS MARCELINUS. “Life of Thucydides”, Interpretation. A journal of political philosophy, vol. 38, n. 1, 2010.

BAUER, Caroline Silveira. Como será o passado? História, historiadores e a Comissão Nacional da Verdade. Porto Alegre: Paco Editorial, 2017.

BLOCKER, Déborah; HADDAD, Elie. “Le présent comme inquiétude: temporalités, écritures du temps et actions historiographiques”. Revue d’Histoire Moderne et Contemporaine, n. 53, 2006.

CARBONELL, Charles-Olivier. “Pour une histoire de l’historiographie”. Storia della Storiografia, n. 1, 1982.

CERTEAU, Michel de. “L’opération historiographique”, en L’écriture de l’histoire. Paris: Gallimard, 1975.

CERTEAU, Michel de. L’invention du quotidien 1: arts de faire. Paris: Gallimard, 1990.

DARBO-PESCHANSKI, Catherine. L’historia. Commencements grecs. Paris: Gallimard, 2007.

GRETHLEIN, Jonas. “Democracy, Oratory, and the Rise of Historiography in Fifth-century Greece”. In: ARNASON, Johann P. et alli. (eds). The Greek Polis and the Invention of Democracy. West Sussex: John Wiley & Sons, 2013.

HARTOG, François; LENCLUD, Gérard. “Regimes d’historicité”, en Dutu, Alexandre; Dodille, Norbert. L’état des lieux en sciences sociales. Paris: L’Harmattan, 1993.

HARTOG, François. “Marshall Sahlins et l'anthropologie de l'histoire”. Annales. ESC. n. 6, 1983.

HARTOG, François. “Primeiras figuras do historiador na Grécia: historicidade e história”, en Os antigos, o passado e o presente. Brasília: Editora da UNB, 2003.

HARTOG, François. “Temps et histoire. Comment écrire l'histoire de France?”. Annales. HSS, n. 6, 1995.

HARTOG, François. “The invention of history: the pre-history of a concept from Homer to Herodotus”. History and Theory, v. 39, n. 3, 2000.

HARTOG, François. “Ver e dizer: a via grega da história (séculos VI-IV a.C.)”. In: Evidência da história. O que os historiadores veem. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

HARTOG, François. Regimes de historicidade. Presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

HOMERO. Odisseia. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.

JOUVE, Vincent. A leitura. São Paulo: Editora da Unesp, 2002.

LENCLUD, Gérard. “Traversées dans le temps”. Annales. HSS, n. 5, 2006.

LUCIANO DE SAMÓSATA. Como se deve escrever a história. Belo Horizonte: Tessitura, 2009.

MALERBA, Jurandir. “Os historiadores e seus públicos: desafios ao conhecimento histórico na era digital”. Revista Brasileira de História, vol. 37, n. 74, 2017.

MOMIGLIANO, Arnaldo. “Les historiens du monde classique et leurs publics: quelques suggestions”, en Problèmes d’historiographie ancienne et moderne. Paris: Gallimard, 1983.

NICOLAZZI, Fernando. “Como se deve ler a história? Leitura e legitimação na historiografia moderna”. Varia História, v. 26, 2010.

NICOLAZZI, Fernando. “O historiador enquanto leitor: história da historiografia e leitura da história”. História da Historiografia, n. 13, 2013.

NICOLAZZI, Fernando. “A história e seus passados: regimes historiográficos e escrita da história”. In: BENTIVOGLIO, Julio; NASCIMENTO, Bruno César. (Org.). Escrever história. Historiadores e historiografia brasileira nos séculos XIX e XX. Vitória: Milfontes, 2017, p. 7-38.

OFFENSTADT, Nicolas. “Histoires et historiens dans l’espace public”, en Granger, Christophe (dirigé par). À quoi pensent les historiens? Paris: Éditions Autrement, 2013.

PERELMAN, Chaïm; OLBRECHTS-TYTECA, Lucie. Tratado da argumentação. A nova retórica. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

POLÍBIO. Histoires. Paris: Gallimard, 2003.

PROST, Antoine. Doze lições sobre a história. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

RICOEUR Paul. “L’écriture de l’histoire et la représentation du passé”. Annales. HSS, n. 4, juillet-août, 2000.

RICOEUR, Paul. La mémoire, l’histoire, l’oubli. Paris: Éditions du Seuil, 2000.

ROCHA, Helenice; MAGALHÃES, Marcelo; GONTIJO, Rebeca. A escrita da história escolar. Memória e historiografia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009.

SARLO, Beatriz. Tiempo pasado. Cultura de la memoria y giro subjetivo. Una discusión. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores, 2005.

SANTHIAGO, Ricardo. “Duas palavras, muitos significados. Alguns comentários sobre a história pública no Brasil”. In: MAUAD, Ana Maria et al. (orgs.). História pública no Brasil. Sentidos e itinerários. Rio de Janeiro: Letra e Voz, 2016.

TUCÍDIDES. História da Guerra do Peloponeso. Livro I. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

ZELIS, Guy (sous la direction de). L’historien dans l’espace public. L’histoire face à la mémoire, à la justice et au politique. Loverval: Éditions Labor, 2005.




DOI: https://doi.org/10.20949/rhhj.v8i15.525

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Fernando Nicolazzi

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia