Cultura de história, história pública e ensino de história: a investigação e formação de professores de história

Marcelo Santos de Abreu, Nara Rubia de Carvalho Cunha

Resumo


O artigo avalia a maneira como estudantes de história se relacionam com a cultura de história. Primeiro, discutimos as relações entre cultura de história, história pública e ensino de história. Na segunda parte, avaliamos as políticas de formação e defendemos a investigação como princípio educativo para a formação. Na última, apresentamos a experiência de produção de narrativas curtas produzidas pelos estudantes sobre a cultura de história. Nas três partes, trazemos as vozes dos estudantes e sua reflexão sobre a cultura de história. Defendemos que esse método pode ser útil no questionamento das relações sensíveis e racionais que mantemos com a história.


Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Marcelo e RANGEL, Marcelo. Memória, cultura histórica e ensino de história. História & Cultura, v. 4, n. 2, P. 7-24, set. 2015.

ABREU, Marcelo; BIANCHI, Guilherme; PEREIRA, Mateus. Popularizações do passado e historicidades democráticas: escrita colaborativa, performance e práticas do espaço. Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 10, n. 24, p. 279 - 315, abr./jun. 2018.

ABUD, Kátia. A história nossa de cada dia: saber escolar e saber acadêmico em sala de aula. In:

ALMEIDA, Juniele Rabelo de & ROVAI, Marta Gouveia e Oliveira (org.) Introdução à história pública. São Paulo: Letra e Voz, 2011.

MONTEIRO, Ana Maria, GASPARELLO, Arlete & MAGALHÃES, Marcelo (orgs.) Ensino de história; sujeitos, saberes e práticas. Rio de Janeiro: Mauad X/FAPERJ, 2007. p. 107-117.

ARAÚJO, Valdei & RAMOS, André. A emergência de um ponto de vista cosmopolita: a experiência da História de Portugal na Universal History. Almanack, Guarulhos, no. 10, p. 465-491, ago. 2015.

BENJAMIN, Walter. Teoria do Conhecimento/ Teoria do Progresso. In: ______Passagens. Willi Bolle (Org. edição brasileira). Tradução de Irene Aron e Cleonice Paes Barreto Mourão. 1 ed. Belo Horizonte: Editora da UFMG/São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2006. p.499-530.

BERGER, Stefan, LORENZ, Chris & MELMAN, Billie (dir.). Popularizing National Pasts; 1800 to the Present. New York: Routledge, 2011.

BITTENCOURT, Circe (org.). O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2001.

CAMPOS, Cristina Maria e PRADO, Guilherme do Val Toledo (Orgs.) Pipocas pedagógicas: narrativas outras da escola. São Carlos: Pedro e João Editores, 2013.

CERRI, Luis Fernando. A formação de professores de história no Brasil: antecedentes e panorama atual. História, Histórias. Brasília, vol. 1, n. 2, p. 167-186, 2013.

CIAMPI, Helenice. O presente do passado na formação do professor de História. Revista Territórios & Fronteiras, v. 8, n. 1, pp. 113-130, jan./jun, 2015.

CONTRERAS, Jose. A autonomia dos professores. São Paulo: Cortez, 2002.

CUNHA, Nara Rúbia de Carvalho. Primaveras Compartilhadas: (re)significando a docência na relação com cidade, memórias e linguagens. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação da Unicamp, 2016.

DINIZ-PEREIRA, Júlio Emílio. A construção do campo de pesquisa sobre formação de professores. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 22, n. 40, p. 145-154, jul./dez. 2013.

FRISCH, Michael. A shared authority; essays on the craft and meaning of oral history and public history. Albany: State University of New Yourk, 1990.

GABRIEL, Carmem Teresa. O conceito de história ensinada: entre a razão pedagógica e a razão histórica. In: CANDAU, Vera Maria (org.). Reinventar a escola - 5ª. ed. - Petrópolis: Vozes, 2000.

GALZERANI, Maria Carolina Bovério. Entrelazando conocimientos, memorias y práctivas educativas: una producción de culturas docentes. In: PARDO, Maria Benedita lima; GALZERANI, Maria Carolina Bovério e LOPES, Amélia (orgs.). Una “nueva” cultura para la formación de maestros: ¿Es posible?. Porto: Livpsic/AMSE-AMCE-WAER, 2008. p. 15-38.

___________. O Almanaque, a locomotiva da cidade moderna: Campinas, décadas de 1870 e 1880. Campinas, SP: UNICAMP/CMU Publicações, 2016.

GAY, Peter. A Experiência Burguesa: da Rainha Vitória a Freud - A Educação dos Sentidos. São Paulo-SP: Cia das Letras, 1988.

GUENÉE, Bernard. Histoire et culture historique dans l'Occident médiéval. Paris: Aubier Montaigne, 1980.

GRELE, Ronald. Whose public? Whose history? What is the goal of a public historian? The Public Historian, vol. 3, no. 1, pp. 40-48, Winter 1981.

HERMETO, Miriam e PEREIRA, Mateus Henrique de Faria. O ensino de história entre trajetórias e epistemologias: o desafio cotidiano de articular teoria e prática na formação do professor de história. Saeculum Revista de História, n. 27, p. 337-351, jul./dez. 2012.

HUYSSEN, Andreas. Em busca del futuro perdido; cultura y memória em tiempos de globalización. Mexico, DF: Fondo de Cultura Ecnómica, 2007.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas, Ed. UNICAMP, 2003.

LIMA, Maria Socorro Lucena e PIMENTA, Selma Garrido. Estágio e docência: diferentes concepções. Revista Poíesis, v. 3, n. 3 e 4, pp.5-24, out. 2006.

LUCINI, Marizete; OLIVEIRA, Sandra; MIRANDA, Sonia. Na esteira da razão histórica: diálogos e olhares sobre a obra de Jörn Rüsen. In: ZAMBONI, Ernesta (org.). Digressões sobre o ensino de história. Itajaí: Maria do Cais, 2007.

MATTOS, Ilmar Rohloff. “Mas não somente assim!” Leitores, autores, aulas como texto e o ensino-aprendizagem de História. Tempo, vol.11, no. 21, p. 5-16, 2002.

MELMAN, Billie. The culture of history; English uses of the past – 1800-1953. New York: Oxford University Press, 2006.

MONTEIRO, Ana Maria. A história ensinada: algumas configurações do saber escolar. História & Ensino, Londrina, v. 9, p. 1-35, 2003.

NADAI, Elza. O Ensino de História no Brasil: trajetória e perspectiva. Revista Brasileira de História, v. 13, n. 26, 1993.

PALETSCHEK, Sylvia & KORTE, Barbara (dir.). Popular History Now and Then; international perspectives. Transcript-Verlag, 2012.

PESCE, Marly Krüger de e ANDRÉ, Marli Elisa Dalmazo Afonso de. Formação do professor pesquisador na perspectiva do professor formador. Formação Docente, Belo Horizonte, v.4, n.7, p. 39-50, jul./dez. 2012.

RÜSEN, Jörn. Razão histórica: teoria da história I: fundamentos da ciência histórica. Trad. Estevão Martins. Brasília: Editora da UnB, 2010a.

________. História viva: teoria da história III: formas e funções do conhecimento histórico. Trad. Estevão Martins. Brasília: Editora da UnB, 2010b.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Jörn Rüsen e sua contribuição para a didática da história. Intelligere, v.3, no.2, p. 60-76, 2017.

________. e GARCIA, Tania Braga . Pesquisas em Educação Histórica: algumas experiências. Educar em Revista , Curitiba-Paraná, v. 1, p. 11-31, 2006.

SETH, Sanjay. Razão ou raciocínio? Clio ou Shiva? História da Historiografia, Ouro Preto, no.11, pp. 173-189, abr. 2013.

VILLALTA, Luiz Carlos. Dilemas da relação teoria e prática na formação do professor de História: alternativas em perspectiva. In: Revista Brasileira de História, São Paulo: v. 13, n. 25/26, p. 223-232, set. 92/ago.93.

ZEICHNER, Kenneth. Uma análise crítica sobre a “reflexão” como conceito estruturante na formação docente. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 29, n. 103, p. 535-554, maio/ago. 2008.

___________. Políticas de formação de professores nos EUA: como e por que elas afetam vários países do mundo. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.




DOI: https://doi.org/10.20949/rhhj.v8i15.527

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Marcelo Santos de Abreu, Nara Rubia de Carvalho Cunha

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia