Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir para o rodapé

Dossiê

v. 9 n. 17 (2020): Janeiro-Junho

Direitos Humanos e currículo transnacional: os desafios da licenciatura em História da Unilab

DOI
https://doi.org/10.20949/rhhj.v9i17.643
Enviado
julho 31, 2020
Publicado
2020-11-16

Resumo

O presente artigo analisa o processo de construção e de implementação do curso de Licenciatura em História da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab) na cidade de Redenção, no Ceará. Foram analisados seus documentos oficiais, sobretudo o Projeto Pedagógico do Curso e resoluções do Conselho Nacional de Educação (CNE), e a prática docente dos autores. Demonstra como as diretrizes apontadas pela Resolução CNE/CP nº02/2015 possibilitaram ao curso atender ao perfil dos estudantes, jovens de áreas periféricas do Ceará e da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), ao proporcionar educação superior pública e de qualidade para a formação de professores, privilegiando, a partir da autonomia curricular, as abordagens dos direitos humanos, da história da África e da diáspora africana.

Referências

  1. ADICHIE, Chimamanda. Sejamos todos feministas. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.
  2. BRASIL. Lei Federal n.º 10.639, de 09 de janeiro de 2003, Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências (2003). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 15/07/200.
  3. BRASIL. Lei Federal n.º 12.289, de 20 de julho de 2010, que dispõe sobre a criação da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB e dá outras providências. (2010). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/L12289.htm Acesso em: 20/06/2020.
  4. BRASIL; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO; CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Parecer CNE/CES n.º 266, de 06 de julho de 2011, que homologa os Referenciais orientadores para os Bacharelados Interdisciplinares e Similares das Universidades Federais. (2011) Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=8907-pces266-11&category_slug=setembro-2011-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 20/06/2020.
  5. BRASIL; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO; CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Resolução CNE/CP n.º 02, de 01 de julho de 2015, que define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. (2015). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em: 20/06/2020.
  6. BOURDIEU, Pierre. Homo Academicus. Stanford (CA): Stanford University Press, 1988.
  7. CARNEIRO, Sueli. Racismo, Sexismo e Desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro Edições, 2011.
  8. FERNANDES, José Ricardo Oriá. Ensino de história e diversidade cultural: desafios e possibilidades. Cadernos CEDES.Vol.25, n.67, p.378-388, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ccedes/v25n67/a09v2567.pdf . Acesso em: 10/07/2020
  9. FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.
  10. HUNT, Lynn. A invenção dos direitos humanos: uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.
  11. KRAAY, Hendrik. “Em outra coisa não falavam pardos, cabras e crioulos”: o “recrutamento” de escravos na Guerra da Independência na Bahia. Revista Brasileira de História. São Paulo: ANPUH, v. 22, n. 43, p. 109-126, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbh/v22n43/10913.pdf. Acesso em: 12/07/2020.
  12. MBAYA, Etienne-Richard. Gênese, evolução e universalidade dos direitos humanos frente à diversidade de culturas. Estudos Avançados. V. 11, n.º 30, p. 17 – 41, 1997.
  13. MOTT, Luiz. Raízes Históricas da Homossexualidade no Atlântico Lusófono Negro. Afro-Ásia. N.º 33, p. 09 – 33, 2005.
  14. MUNANGA, Kabengele. Negritude: usos e sentidos. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.
  15. ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH), 1948. Disponível em: https://www.ohchr.org/EN/UDHR/Documents/UDHR_Translations/por.pdf. Acesso em: 15/07/2020.
  16. RIBEIRO, Darcy. O Povo Brasileiro: A formação e o sentido de Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.
  17. SACRISTAN, J. Gimenez e GOMEZ, A. I. Perez. Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: Artmed, 1998.
  18. SALES, Edriene Cristine da Silva Santos et AL. O programa de apoio à planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (REUNI): uma análise de seu processo de avaliação. Avaliação (Campinas), Sorocaba, v. 24, n.º 03, p. 658 – 679, dez. 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/aval/v24n3/1982-5765-aval-24-03-658.pdf. Acesso em: 30/06/2020.
  19. SANTOS, Boaventura de Sousa. Se Deus fosse um ativista dos direitos humanos. São Paulo: Cortez, 2013.
  20. SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.
  21. SILVA, Maurício. Universidade Popular no Brasil e relações étnico-raciais: o caso da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab). Revista Internacional de Educação Superior. V. 04, n.º 01, p. 112 – 129, jun – abr de 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/riesup/article/view/8650726/16890. Acesso em: 09/07/2020.
  22. UNILAB. Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em História. Março de 2018. Disponível em: http://historia.ihl.unilab.edu.br/wp-content/uploads/2018/08/PPC.-V7.-Hist%C3%B3ria.-Semestral.24.-Mar%C3%A7o.-2018.pdf. Acesso em: 17/07/2020.