Escola de favela, aula de História e alunos evangélicos

Alline de Assis Xavier Maia

Resumo


A proposta deste artigo é trazer algumas reflexões que visam compreender o universo simbólico que forma os alunos que se identificam como evangélicos em território de favelas. Laville (1999) enfatizou que a disciplina de História se configura como uma das mais sujeita a intervenções governamentais. No caso brasileiro, nos últimos anos, em virtude de uma gama de conceitos que o ensino da disciplina evoca, assistimos ataques por parte de alguns políticos aos professores e que por vezes se refletem na sala de aula. Sendo a docência, segundo Tardif (2014), um trabalho interativo sobre e com o outro considero importante para o ensino de história o mapeamento desses jovens, uma vez que os evangélicos têm chegado com força às escolas públicas.


Texto completo:

PDF

Referências


BAHIA, Joana. A “lei da vida”: confirmação, evasão escolar e reinvenção da identidade entre os pomeranos. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, p. 69-82, jan./jun. 2001

BAUMAN, Z. a Benedetto Identidade: entrevista Vecchi. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005

BIRMAN, Patrícia. “Cruzadas pela paz: práticas religiosas e projetos seculares relacionados à questão da violência no Rio de Janeiro”. Religião e Sociedade, 32 (1), 2012.

BURITY, Joanildo. “Cidadãos, consumidores, militantes e fiéis: pertencimento e democracia”. Relatório de pesquisa. Recife, Fundação Joaquim Nabuco, mimeo, 2000.

CASSAB, Maria Aparecida Tardim. Jovens pobres e o futuro: a construção da subjetividade na instabilidade e incerteza. Niterói, Intertexto, 2001.

DIP, Andrea. Em nome de quem? Bancada evangélica e seu projeto de poder. Rio de Janeiro. Civilização Brazielra, 2018.

LAVILLE, Christian. A guerra das narrativas: debates e ilusões em torno do ensino de História. Rev. bras. Hist. [online]. 1999, vol.19, n.38

MAFRA, Clara Cristina. Na Posse da Palavra: Religião, Conversão e Liberdade Pessoal em Dois Contextos Nacionais. Tese de Doutorado em Antropologia Social, PPGAS/MN/ UFRJ, 1999.

MARIANO, Ricardo. Neopentecostais: sociologia do novo pentecostalismo no Brasil. São Paulo: Loyola, 1999

MONTEIRO, Ana Maria. Professores de História: entre saberes e práticas. 2 ed. Rio de Janeiro: Maua Editora, 2010.

MONTEIRO, Ana Maria. Formação de professores: entre demandas e projetos. Revista História Hoje, São Paulo: Anpuh, v.2, n.3, p.19-42, 2013.

OLIVEIRA, Margarida Maria Dias de; STAMATTO, Maria Inês Sucupira (Org.) O livro didático de história: políticas educacionais, pesquisa e ensino. Natal: Ed. UFRN, 2007

RÜSEN, Jörn. O livro didático ideal. In: SCHMIDT, Maria Auxiliadora; BARCA, Isabel; MARTINS, Estevão de Rezende (Org.) Jörn Rüsen e o ensino de história. Curitiba: Ed. UFPR, 2011

VITAL DA CUNHA, Christina. Oração de Traficante: uma etnografia. Ed: Rio de Janeiro: Garamond, 2015.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 4ª Ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2002.




DOI: https://doi.org/10.20949/rhhj.v10i20.764

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Maia Xavier MAIA

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia