A vida como mestra da história, a vida como mestra da escola

Marcia de Almeida Gonçalves

Resumo


A complexidade do conceito de crise é,
neste artigo, ponto de partida de reflexões
sobre a mobilização de narrativas
vivenciais no ensino/aprendizagem da
História. Busca-se compreender como
situações de crise afetam as vidas por
elas atravessadas, priorizando vozes e
sujeitos, em especial os/as que vieram a
ser silenciados/as e apagados/as de determinadas
formas de registrar e narrar
situações de crise, nas suas respectivas
historicidades. O caminho escolhido para
abordar vidas em situações históricas
de crise se bifurca em dois sentidos: na
apropriação do conceito de vidas precárias,
no diálogo com Judith Butler, e, em
complementaridade, na ponderação sobre
o ato de narrar histórias de vida em
condições de precariedade como escolha
pedagógica e ético-política, na defesa do
direito ao luto de sujeitos e grupos afetados
pela banalização da violência.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.20949/rhhj.v11i22.861

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Marcia de Almeida Gonçalves

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia