Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir para o rodapé

Dossiê

v. 12 n. 24 (2023): Janeiro-Junho

Representações do feminino na História ensinada: um olhar para a atuação religiosa das mulheres romanas

Enviado
setembro 15, 2022
Publicado
2023-04-19

Resumo

Apesar do interesse pela História das
Mulheres e de Gênero entre acadêmicos
brasileiros, a História ensinada mantém-
se tradicional no tocante às mulheres
e à construção dos papéis de gênero.
Ao analisarmos livros didáticos do 6º
ano, todos aprovados no PNLD para o
quadriênio 2020-2023, percebemos que
as mulheres são apresentadas desconectadas
do restante de seu tempo histórico,
perdendo qualquer potencial de reflexão
aprofundada sobre as relações
sociais de gênero, poder, representações
e lutas sociais. Diante disso, propomos
uma reflexão acerca da atuação feminina
na esfera pública da Roma Antiga,
por meio da religião. Objetivamos levar
os professores a problematizar a narrativa
historiográfica tradicional de que as
romanas passavam suas vidas exclusivamente
confinadas ao espaço privado,
como frequentemente descrito em livros
didáticos.

Referências

  1. Referências bibliográficas
  2. Documentação textual
  3. AZEVEDO, G; SERIACOPI, R. Inspire história: 6º ano. São Paulo: FTD, 2018.
  4. BOULOS, A. J. História, sociedade & cidadania: 6º ano. São Paulo: FTD, 2018.
  5. BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018. Disponível em: < http://basenacionalcomum.mec.gov.br/>. Acesso em: 06 de agosto de 2022.
  6. COTRIM, G.; RODRIGUES. J. Historiar: 6º ano. São Paulo: Saraiva, 2018.
  7. VAINFANS, R.; FERREIRA, J.; FARIA; S. C.; CALAINHO, D. B. História.doc: 6° ano. São Paulo: Saraiva, 2018.
  8. Bibliografia de apoio
  9. ALEXANDRE, M. Do anúncio do Reino à Igreja: Papéis, ministérios, poderes femininos. In: DUBY, G.; PERROT, M. (org.). História das Mulheres: a Antiguidade. Porto: Afrontamento, 1990, p. 513-59.
  10. ALONSO, A. C. C. Vmbilicus urbis Romae: papéis e funções das sacerdotisas vestais na literatura do Principado (séc. I-III) e na pintura francesa oitocentista. 2012. 133 f. Dissertação (Mestrado em História) - Programa de Pós-graduação em História, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.
  11. BAUTISTA, E. La mujer en la iglesia primitiva. Navarra: Verbo Divino, 2006.
  12. BELTRÃO, C. Religião, Gênero e Sociedade: Ordem romana, ordem sagrada. Maracanan, Rio de Janeiro, n. 9, p. 117-34, 2013.
  13. BELTRÃO, C. A Religião na urbs. In: SILVA, G. V.; MENDES, N. M. (org.) Repensando o Império Romano. Rio de Janeiro: Mauad, 2006, p. 137-59.
  14. BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.
  15. BROWN, P. Corpo e sociedade: o homem, a mulher e a renúncia sexual no início do cristianismo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1990.
  16. CHARTIER, R. Diferenças entre os sexos e dominação simbólica. Cadernos Pagu, Campinas, v. 5, p. 37-47, 1995.
  17. DANIÉLOU, J.; MARROU, H. Nova História da Igreja: dos primórdios a são Gregório Magno. Petrópolis: Vozes, 1984.
  18. ELIADE, M. O Sagrado e o profano: a essência das religiões. São Paulo: Martins Fontes, 2012.
  19. FINLEY, M. I. Aspectos da Antiguidade. São Paulo: Martins Fontes, 1991.
  20. FUNARI, P. P. A. Romanas por elas mesmas. Cadernos Pagu, Campinas, n. 5, p. 179-200, 1995.
  21. FIORENZA, E. As origens cristãs a partir da mulher: uma nova hermenêutica. São Paulo: Paulinas, 1992.
  22. JONES, P.; PENNICK, N. História da Europa pagã. Sintra: Europa-América, 1999.
  23. KING, U. Religion and Gender: Embedded Patterns, Interwoven Frameworks. In: MEADE, T. A.; WIESNER-HANKS, M. E. (ed.). A Companion to Gender History. Oxford: Blackwell, 2004, p. 70-85.
  24. LOPES, G. G. A representação das mulheres nos livros didáticos de história (Programa Nacional do livro didático: 2017-2019). 2018. 177f. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2018.
  25. MARTÍNEZ LÓPEZ, C. Virginidad-fecundidad: en torno al suplicio de las vestales. Studia Historica: Historia Antigua, Salamanca, v. 6, p. 137-44, 1988.
  26. MARTÍNEZ LÓPEZ, C. La virginidad en las jóvenes de la Antigua Roma. Revista de historia de las mujeres, Granada, v. 1, n. 2, p. 169-84, 1994.
  27. NAVARRO SÁEZ, R. La mujer al final de la antigüedad: las viudas profesas. In: LUNA, L. G. (coord.). Mujeres e sociedad. Barcelona: Universitat de Barcelona, 1990. p. 111-121.
  28. PERROT, M. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2007.
  29. MONTERO, Santiago. Deusas e adivinhas: mulher e adivinhação na Roma antiga. São Paulo: Musa, 1998.
  30. PAGELS, E. Evangelhos gnósticos. Rio de Janeiro: Objetiva, 2006.
  31. RIVES, J. Women and Animal Sacrifice in Public Life. In: HEMELRIJK, E.; WOOLF, G. (ed.). Women and the Roman City in the Latin West. Leiden: Brill, 2013.
  32. SATHLER, L. R. Disciplinando os corpos das virgens e das viúvas: Ambrósio e a formação de uma hierarquia feminina na congregação milanesa (séc. V). Vitória: LEIR/ES/Coleção Lux Antiquitatis, 2021.
  33. SCOTT, J. Gender and The Politics of History. Nova Iorque: Columbia University Press, 2018.
  34. SCOTT, J. História das Mulheres. In: BURKE, P. (Org.). A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: Editora Unesp, 2011.
  35. SILVA, G. V.; Prisioneiras do esquecimento: a representação das mulheres nos livros didáticos de história. Dimensões, Vitória, v. 23, p. 45-66, 2009.
  36. SOIHET, R.; PEDRO, J. M. A emergência da pesquisa da História das Mulheres e das Relações de Gênero. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 27, n. 54, p. 281-300, 2007.
  37. SCHEID, J. Estrangeiras indispensáveis: os papéis religiosos das mulheres em Roma. In: DUBY, G.; PERROT, M. (org.). História das Mulheres: a Antiguidade. Porto: Afrontamento, 1990, p. 513-59.
  38. SERRATO, M. Ascetismo feminino en Roma. Cádiz: Universidad de Cádiz, 1993.
  39. SIQUEIRA, S. M. A. Efervescência discursiva sobre as mulheres nos movimentos marginais do cristianismo primitivo e as respostas patrísticas. In: FEITOSA, L. C.; FUNARI, P. P. A.; SILVA, G. V. (org.). Amor, desejo e poder na antigüidade:relações de gênero e representações do feminino. São Paulo: Unicamp, 2003, p. 375-90.
  40. SOARES, C. S. Separando a palha do bom grão: autoridade episcopal e disciplina eclesiástica em Cartago segundo o testemunho de Cipriano (século III d.C.). 2016. 311 f. Tese (Doutorado em História) - Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2016.
  41. TAKÁCS, S. Vestal Virgins, Sibyls and Matrons: Women in Roman Religion. Austin: University of Texas, 2008.
  42. SILVA, G. V. A masculinização das devotas no século IV d. C.: Eustácio de Sebaste e as tradições heréticas do ascetismo. In: SILVA, G. V.; NADER, M. B.; FRANCO, S. P. (org.). História, mulher e poder. Vitória: Edufes, 2006a, p. 40-57.
  43. SILVA, G. V. A redefinição do papel feminino na igreja primitiva: virgens, viúvas, diaconisas e monjas. In: SILVA, G. V.; NADER, M. B.; FRANCO, S. P. (org.). As identidades no tempo: ensaios de gênero, etnia e religião. Vitória: Edufes, 2006b, p. 305-19.
  44. SILVA, G. V. As mulheres e os perigos da cidade: casamento espiritual, virgindade e prostituição segundo João Crisóstomo. In: LEITE, L. R. et al. (org.). Figurações do masculino e do feminino na Antiguidade. Vitória: PPGL, 2011, p. 33-51.