O Estado de Suspensão na aprendizagem histórica: a força estética do conhecimento histórico na instauração de um momento sublime de consciência histórica

Rafael Saddi

Resumo


O presente artigo tem o objetivo de conceituar o Estado de Suspensão como momento radical da aprendizagem histórica. Trata-se do estado instaurado no momento em que a força estética interpeladora de um conhecimento provoca, justamente por atingir, de algum modo, o âmago do indivíduo, a suspensão das atribuições de sentido anteriormente em vigor. Para a compreensão desta definição e de sua importância, o artigo está dividido em três momentos. O primeiro trata da alteração que a influência da Didática da História alemã produz na função dos professores; o segundo analisa a atuação fundamental dos elementos estéticos da narrativa histórica para a produção de sentido histórico, e o terceiro descreve e define este novo conceito de Estado de Suspensão como momento radical e sublime da consciência histórica.


Texto completo:

PDF

Referências


BAROM, Wilian Carlos Cipriani. Didática da História e Consciência Histórica: pesquisas na pós-graduação (2001-2009). Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Ponta Grossa, 2012.

BERGMANN, Klaus. A história na reflexão didática. Revista Brasileira de História, São Paulo, v.9, n.19, p.29-42, 1990.

BORRIES, Bodo von. Competência do pensamento histórico, domínio de um panorama histórico, ou conhecimento do cânone histórico? Revista de Educação Histórica, Curitiba, n.1, p.155-178, 2012.

BURKE, Edmund. Uma investigação Filosófica sobre a Origem de nossas Ideias do Sublime e do Belo. Trad. Enid Abreu Dobránszky. Campinas, SP: Papirus, 1993.

CARDOSO, Oldimar. Para uma definição de didática da história. Revista Brasileira de História, São Paulo, v.28, n.55, p.153-170, 2008.

CERRI, Luís Fernando. Didática da história: uma leitura teórica sobre a história na prática. Revista de História Regional, Ponta Grossa: Ed. UEPG, v.15, n.2, p.264-278, 2010.

KANT, Emmanuel. Crítica da faculdade do juízo. Trad. Valério Rohden e Antonio Marques. 2.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

_______. Observações sobre o sentimento do belo e do sublime; Ensaio sobre as doenças mentais. Trad. Vinícius de Figueiredo. Campinas, SP: Papirus, 1993.

KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 1991.

LEE, Peter. Progressão da compreensão dos alunos em História. In: BARCA, Isabel. Perspectivas em Educação Histórica. Braga: Universidade do Minho, 2001.

OLIVEIRA, Thiago A. D. de. A relação ensino e aprendizagem como práxis: a educação histórica e a formação de professores. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2012.

OLIVEIRA, Thiago; SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Protonarrativas e Possibilidades de Intervenção: práxis e educação histórica em um estudo no IFPR (Campus Curitiba). Revista História e Diversidade, Cuiabá, v.4, n.1, p.189-202, 2014.

RÜSEN, Jörn. Aprendizagem histórica: fundamentos e paradigmas. Trad. Caio C. Pereira, Daniel Martineschen, Peter H. Rautman e Sibele Paulino. Curitiba: W. A. Editores, 2012.

_______. Cultura faz sentido: orientações entre o ontem e o amanhã. Trad. Nélio Schneider. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

_______. Didática da história: passado, presente e perspectivas a partir do caso alemão. Práxis Educativa, Ponta Grossa, PR, v.1, n.2, p.7-16, 2006.

_______. História viva. Trad. Estevão de Rezende Martins. Brasília: Ed. UnB, 2007a.

_______. Razão histórica. Trad. Estevão de Rezende Martins. Brasília: Ed. UnB, 2001.

_______. Reconstrução do passado. Trad. Asta-Rose Alcaide. Brasília: Ed. UnB, 2007.

_______. Teoria da História: uma teoria da história como ciência. Trad. Estevão de Rezende Martins. Curitiba: Ed. UFPR, 2015.

SADDI, Rafael. Didática da História na Alemanha e no Brasil: considerações sobre o ambiente de surgimento da NEU GESCHICHTSDIDAKTIK na Alemanha e os desafios da nova didática da história no Brasil. OPSIS, Catalão, GO, v.14, n.2, p.133-147, 2014.

_______. O parafuso da didática da história. Acta Scientiarum. Education, Maringá, PR, v.34, n.2, p.211-220, 2012.

SCHOPENHAUER, Arthur. A Metafísica do Belo. Trad. Jair Barbosa. São Paulo: Ed. Unesp, 2003.

_______. O Mundo como Vontade e como Representação, tomo 1. Trad. Jair Barbosa. São Paulo: Ed. Unesp, 2005.




DOI: https://doi.org/10.20949/rhhj.v5i9.247

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Rafael Saddi

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia