As concepções de jovens estudantes sobre assuntos históricos

Aaron Sena Cerqueira Reis

Resumo


Neste artigo, objetiva-se compreender as concepções de jovens estudantes sobre assuntos históricos. A partir das contribuições epistemológicas do ensino de História, consideramos as respostas apresentadas pelos/as informantes a um instrumento de pesquisa composto pela seguinte questão: Qual o assunto da História você considera mais importante? Explique por quê. As respostas dos 199 participantes foram analisadas segundo os pressupostos da Grounded Theory. Com este método, identificamos diferentes conceitos que foram categorizados em um dendograma composto por três classes. Este processo foi auxiliado pelo IRAMUTEQ, software que viabiliza diferentes tipos de análise textual com base na frequência das palavras. Os resultados mostraram concepções ligadas a uma perspectiva tradicional de história, exemplificada com os assuntos relativos à história do Brasil, e a uma percepção da história geral, sobretudo a partir da abordagem da história do tempo presente.

Palavras-chave: Ensino de História. Concepções históricas. Estudantes.


Texto completo:

PDF

Referências


ABUD, Katia Maria. Currículos de História e políticas públicas: os programas de História do Brasil na escola secundária. In: BITTENCOURT, Circe (org.). O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 1997. (Repensando o ensino).

ABUD, Katia Maria. Narrativas, tempo e sujeitos históricos no ensino de história. Revista eletrônica Documento/Monumento, Cuiabá, v. 12, n. 1, p.12-21, set. 2014. Disponível em: . Acesso em: 19 mai. 2015.

ALEGRO, Regina Célia. Conhecimento prévio e aprendizagem significativa de conceitos históricos no Ensino Médio. 2008. 239f. Tese (Doutorado em Educação) − Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Marília, 2008.

BARROS, José d’Assunção. O campo da História: especialidades e abordagens. Petrópolis: Vozes, 2004.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Abordagens históricas sobre a história escolar. Educação & Realidade. Porto Alegre, v.36, n.1, p.83-104, jan./abr. 2011a. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2015.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de história: fundamentos e métodos. 4ª ed. São Paulo: Cortez, 2011.

BOGDAN, Robert C.; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

CAINELLI, Marlene; BARCA, Isabel. A aprendizagem da história a partir da construção de narrativas sobre o passado. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.44, 2018. Disponível em: . Acesso em: 26 nov. 2018.

CAMARGO, Brígido Vizeu; JUSTO, Ana Maria. IRAMUTEQ: um Software Gratuito para Análise de Dados Textuais. Temas em Psicologia, v.1, n.2, p.513-518, 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2016.

DELGADO, Lucilia de Almeida Neves; FERREIRA, Marieta de Moraes. História do tempo presente e ensino de História. Revista História Hoje, v. 2, n. 4, p.19-34, 2013. Disponível em: . Acesso em: 08 nov. 2017.

DOSSE, François. História do tempo presente e historiografia. Tempo e Argumento, Florianópolis, v.4, n.1, p.5-22, jan./jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2018.

FERREIRA, Marieta de Moraes. História do tempo presente: desafios. Cultura Vozes, Petrópolis, v.94, n. 3, p.111-124, maio/jun., 2000. Disponível em: . Acesso em: 08 nov. 2018.

FERREIRA, Marieta de Moraes. História, tempo presente e história oral. Topoi, Rio de Janeiro, p.314-332, dez. 2002. Disponível em: . Acesso em: 08 nov. 2018.

FICO, Carlos. História que temos vivido. In: MALERBA, Jurandir (org.). História e narrativa: a ciência e a arte da escrita histórica. Petrópolis: Vozes, 2016, p.273-301.

FREITAS, Itamar; SEMEÃO, Jane; OLIVEIRA, Margarida. O Contemporâneo e o Tempo Presente nos Currículos Escolares de História nos EUA e no Brasil (2002-2012). Cadernos do Tempo Presente, São Cristóvão, n.11, 2013. Disponível em: . Acesso em: 25 mai. 2013.

GERMINARI, Geyso Dongley. Ideias de Jovens do Ensino Médio sobre História: Um Estudo na Perspectiva da Educação Histórica. Antíteses, v. 9, n. 18, p.67-86, jul./dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2017.

GUIMARÃES, Selva. Revisitando a história da disciplina. In: ______. Didática e prática de ensino de história. 13ª ed. rev. e ampl. Campinas, SP: Papirus, 2012, p.19-38.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Tradução Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 2006.

LAGROU, Pieter. Sobre a atualidade da história do tempo presente. In: PÔRTO, Gilson. História do tempo presente. Bauru, SP: Edusc, 2007, p.31-45.

MORENO, Concha Fuentes. Concepciones de los alumnos sobre la Historia. Educar, Curitiba, p.219-239, 2006. Número especial. Disponível em: . Acesso em: 26 nov. 2016.

NAPOLITANO, Marcos. Pensando a estranha história sem fim. In: KARNAL, Leandro (org.). História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. São Paulo: Contexto, 2003.

OLIVEIRA, Margarida Maria Dias de. O direito ao passado (uma discussão necessária à formação do profissional de história). 2003. 291f. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003.

PINA, Max Lanio Martins; SILVA, Janaína Bernardes. As concepções de professores do Ensino Fundamental II sobre a Idade Média: uma análise sob a ótica da Educação Histórica. História & Ensino, Londrina, v. 23, n. 2, p. 109-131, jul./dez. 2017. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2018.

RAMOS, Márcia Elisa Teté; ALVES, Ronaldo Cardoso. Representações de História em Jovens da Escola Básica e da Universidade: um Estudo sobre Pensamento Histórico e Identidade. Antíteses, v. 9, n. 18, p.118-152, jul./dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2017.

ROUSSO, Henry. Sobre a história do tempo presente: entrevista com o historiador Henry Rousso. Entrevistadores Silvia Maria Fávero Arend e Fábio Macedo. Tempo e Argumento, Florianópolis, v.1, n.1, p.201-216, jan./jun. 2009. Disponível em: . Acesso em: 13 nov. 2018.

SADDI, Rafael. O Estado de Suspensão na aprendizagem histórica: a força estética do conhecimento histórico na instauração de um momento sublime de consciência histórica. Revista História Hoje, v. 5, n. 9, p.113-130, 2016. Disponível em: . Acesso em: 22 ago. 2018.

SÃO PAULO. Governo do Estado. Currículo do Estado de São Paulo: Ciências Humanas e suas tecnologias. São Paulo: Secretaria da Educação, 2012. Disponível em: . Acesso em: 07 nov. 2015.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. História do ensino de história no Brasil: uma proposta de periodização. História da Educação, v.16, n.37, p.92-117, maio/ago. 2012. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2015.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Perspectivas da consciência histórica e da aprendizagem em narrativas de jovens brasileiros. Tempos históricos, v. 12, 81-96, jan./jun. 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2016.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora; GARCIA, Tânia Maria F. Braga. A formação da consciência histórica de alunos e professores e o cotidiano em aulas de história. Cad. Cedes, Campinas, vol. 25, n. 67, p. 297-308, set./dez. 2005. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2016.

SILVA, Daniel Pinha. O lugar do tempo presente na aula de história: limites e possibilidades. Tempo e Argumento, Florianópolis, v.9, n.20, p.99-129. jan./abr. 2017. Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2018.

STRAUSS, Anselm; CORBIN, Juliet. Pesquisa Qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.




DOI: https://doi.org/10.20949/rhhj.v8i16.539

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Aaron Sena Cerqueira Reis

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia