Refigurações narrativas discentes nas aulas de História: reflexões sobre aprendizagens dessa disciplina escolar

Marcus Leonardo Bomfim Martins, Alexandre Rodrigues de Frias Barbosa, Carmen Teresa Gabriel

Resumo


O objetivo desse artigo é problematizar processos de aprendizagens da História escolar. Situado em uma abordagem pós-fundacional, ele se inscreve nas lutas pela significação e fixação de um sentido particular do ato de aprender História.  Em diálogo com autores que nos oferecem pistas para pensar de outro lugar epistêmico o processo de aprendizagem, em geral, e da disciplina História, em particular, o artigo explora a interface de três categorias - relação com o saber, verdade histórica e refiguração narrativa - como chaves de leitura para um entendimento possível desse processo. A empiria é constituída por um conjunto de fragmentos narrativos produzidos por estudantes da educação básica em aulas de História. A análise reafirma a possibilidade de compreensão da aprendizagem histórica para além de aquisições de conhecimentos disciplinares, evidenciando processos multidimensionais que se inscrevem na cultura histórica e na cultura escolar.

Texto completo:

PDF

Referências


ALLIEU, Nicole. De l'histoire des chercheurs à l'histoire scolaire. In: DEVELAY, M. (Org.). Savoirs scolaires et didactiques de disciplines: uneencyclopédie pour aujourd'hui. Paris: ESF, 1995.

BEVIR, Mark. Porque a distância histórica não é um problema. História da Historiografia, Ouro Preto, Universidade Federal de Ouro Preto, n. 18, p. 11-28, ago. 2015.

BIESTA, Gert. Para além da aprendizagem: educação democrática para um futuro humano. 1ª ed.; 1. Reimp. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

BONDÍA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, n. 19, jan./abr., 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n19/n19a02.pdf Data de acesso: 14 ago. 2020.

CAIMI, Flavia Eloisa. Por que os alunos (não) aprendem História? Reflexões sobre ensino, aprendizagem e formação de professores de História. Tempo. Revista do Departamento de História da UFF, v. 11, p. 27-42, 2006.

CAIMI, Flavia Eloisa. O que precisa saber um professor de História? História & Ensino, Londrina, v. 21, n. 2, p. 105-124, jul./dez. 2015.

CAINELLI, Marlene Rosa. Educação Histórica: perspectivas de aprendizagem da História no ensino fundamental. Educar Em Revista (Impresso), Universidade Federal do Paraná, v. 164, p. 57-72, 2006.

CERRI, Luis Fernando. Didática da História: uma leitura teórica sobre a História na prática. Revista de História Regional 15(2): 264-278, Inverno, 2010. Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/rhr/article/view/2380/1875 Data de acesso: 09 ago. 2018.

COOPER, Hilary. Ensino de história na educação infantil e anos iniciais: um guia para professores. Traduzido por Rita de Cássia K. Jankowski, Maria Auxiliadora M.S. Schmidt e Marcelo Fronza. – Curitiba: Base Editorial, 2012.

COSTA, Hugo Heleno Camilo; LOPES, Alice Casimiro. A comunidade disciplinar em Goodson: impasses em um registro pós-estrutural. Revista Brasileira de Educação, v. 21, n. 67, out.-dez., 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782016216751 Data de acesso: 02 ago. 2020.

FREITAS, Ana Beatriz Machado de. A dimensão estética na aprendizagem: desocultando pontos cegos. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 41, n. 2, p. 575-589, abr./jun. 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/2175-623648223 Data de acesso: 15 ago. 2020.

HALL, Stuart. Quem precisa da identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu; HALL, Stuart; e WOODWARD, Kathryn (Orgs.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

LORAUX, Nicole. Elogio do anacronismo. In: NOVAES, Adauto (org.). Tempo e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

MARCHART, Oliver. El pensamento político posfundacional: la diferencia política em Nancy, Lefort, Badiou y Laclau. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2009.

MISTURA, Letícia. Entre tensões e proposições: um estado do conhecimento sobre a aprendizagem histórica no Brasil em dissertações e teses (2005-2018). 2019. 166f. Dissertação (Mestrado em Educação) – UPF, Passo Fundo.

MONIOT, H. La dictatique de l 'histoire, Paris: Nathan, 1993.

MONTEIRO, Ana Maria. Entre o estranho e o familiar: o uso de analogias no Ensino de História. Cad. Cedes, Campinas, vol. 25, n. 67, p. 333-347, set./dez. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v25n67/a06v2567.pdf Data de acesso: 27 ago. 2020.

MONTEIRO, Ana Maria. Professores de História: entre saberes e práticas. Rio de Janeiro, Editora Mauad, 2007.

MOREIRA, Carlos Gustavo Costa. Sobre a aprendizagem dos regimes de sentido do tempo histórico escolarizado: parâmetros críticos para estudo curricular sobre ensino de História para o 6° ano do Ensino Fundamental. 2016. 212f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de História). Seropédica, 2016.

PEREIRA, Nilton Mullet; MARQUES, Diego Souza. Narrativa do estranhamento: ensino de História entre a identidade e diferença. PLURES Humanidades. Ribeirão Preto/SP, v. 14, n. 1, 2013.

RANCIÈRE, Jacques. O conceito de anacronismo e a verdade do historiador. In: História, verdade e tempo. Marlon Salomon (Org.) -- Chapecó, SC: Argos, 2011.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa – Tomo I. Campinas, SP: Papirus, 1994.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa – Tomo III. Campinas, SP: Papirus, 1997.

ROCHA, Helenice Aparecida Bastos. O lugar da linguagem no ensino de História. 2006. Tese (Doutorado em Educação) – UFF, Niterói.

SCHIMIDT, Maria Auxiliadora Moreira dos Santos. Concepções de aprendizagem histórica presentes em propostas curriculares brasileiras. História Revista, Goiânia, v. 14, n. 1, p. 203-213, jan./jun. 2009.

SILVA, Daniel Pinha. O lugar do tempo presente na aula de história: limites e possibilidades. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 9, n. 20, p. 99 - 129. jan./abr. 2017. jan./abr. 2017.

WANDERLEY, Sonia. Narrativas contemporâneas de história e didática da história escolar. In: Ana Maria Mauad; Juniele Rabêlo de Almeida;Ricardo Santhiago. (Orgs.). História Pública no Brasil: sentidos e itinerários. 1ed.São Paulo: Letra e Voz, 2016, v. 1, p. 207-217.




DOI: https://doi.org/10.20949/rhhj.v9i18.704

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Marcus Leonardo Bomfim Martins, Alexandre Rodrigues de Frias Barbosa, Carmen Teresa Gabriel

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia