Ensino de história como reativação do político

Renata da Conceição Aquino da Silva

Resumo


Este artigo busca sugerir uma resposta à seguinte pergunta: o que torna o ensino de história significativo? Eu proponho responder argumentando que ele se torna significativo quando ele consegue fazer estudantes se sentirem agentes da história por meio do ensino de uma história disponível para ser feita. Sigo esse caminho baseando-me nas produções em teoria da história que destacam os efeitos de diferentes articulações entre passado, presente e futuro e a dimensão política disto. Assim, defenderei que o ensino de história se torna significativo quando sua dimensão política sempre potencial é explicitada, qual seja, quando ele instaura um público.

 

Texto completo:

PDF

Referências


ALVEZ, F. ; CERRI, L. F. ; QUIRICI, G. . La ebullición de las noosferas: debates sobre el pasado reciente en los curriculos de historia de Brasil y Uruguay. Andamio. Revista de la Didáctica de la Historia, v. 5, p. 57-78, 2019.

ARAUJO, Valdei. O direito à história: o(a) historiador(a) como curador(a) de uma experiência histórica socialmente distribuída. In: Conversas sobre o Brasil: ensaios de crítica histórica. GUIMARÃES, BRUNO e PEREZ (Orgs.). Rio de Janeiro: Autografia, 2017.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Trad. Roberto Raposo; revisão técnica e apresentação Adriano Correia. 12ª ed. rev. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

AUTORA. Ensino de história como reativação do político. 112 p. Dissertação (Mestrado em História Social) – Faculdade de Formação de Professores – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, São Gonçalo, 2019.

BIESTA, Gert. Boa educação na era da mensuração. Cad. Pesqui., São Paulo , v. 42, n. 147, dez. 2012, p. 808-825.

____________. The beautiful risk of education. Boulder, Co: Paradigm Publishers, 2013.

___________. Para além da aprendizagem. Educação democrática para um futuro humano. Autêntica, 2017.

BUTLER, Judith. Fundamentos contingentes: o feminismo e a questão do “pós-modernismo. cadernos pagu, n. 11, p. 11-42, 1998.

CALDAS, Renan Rubim. A concepção de tempo histórico de alunos da educação básica: a

produção e a avaliação de uma ferramenta de pesquisa. In: Anais do XVI Encontro Regional de História da Anpuh-Rio: Saberes e práticas científicas. XVI Encontro Regional de História da Anpuh-Rio: Saberes e práticas científicas: Rio de Janeiro. pp. 1-9.

CALDAS, Renan Rubim. O passado, o presente e o futuro na produção textual dos alunos da educação básica. In: Anais do 8º Seminário Brasileiro de História da Historiografia - Variedades do discurso histórico: possibilidades para além do texto, 2014, Mariana - MG. 8º Seminário Brasileiro de História da Historiografia - Variedades do discurso histórico: possibilidades para além do texto, 2014.

BROWN, Wendy. Cidadania Sacrificial Neoliberalismo, capital humano e políticas de austeridade. Zazie Edições, 2019.

Mike Davis, “Living on the Ice Shelf: Humanity’s Meltdown”, 26 Jun. 2008. Disponível em: https://www.commondreams.org/views/2008/06/26/living-ice-shelf-humanitys-meltdown. Acesso em 31 ago. 2018.

GABRIEL, Carmen Teresa. Relação com o saber: uma proposta de releitura pós-fundacional in LOPES, A.C.; OLIVEIRA, A.L.M. de; OLIVEIRA, G.G.S. de (orgs). A teoria do discurso na pesquisa em educação. Recife: Editora UFPE, 2018. pp. 217-250.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado. Contribuição à semântica dos tempos históricos.

Rio de Janeiro: Contraponto – Ed. PUC-Rio, 2006.

LACLAU, Ernesto e MOUFFE, Chantal. Hegemonia e estratégia socialista: por uma

democracia radical. São Paulo: Intermeios, 2015 [1985].

LACLAU, Ernesto & MOUFFE, Chantal. Pós-marxismo sem pedido de desculpas. In: Lopes,

A. C. & Mendonça, D. de (orgs.) A teoria do discurso de Ernesto Laclau: ensaios críticos e

entrevistas. São Paulo: Annablume, 2015b.

LACLAU, Ernesto. New reflections on the revolution of our time. Verso, 1990.

_______________. Hegemony and the Future of Democracy: Ernesto Laclau's Political Philosophy. Entrevista por Lynn Worsham e Gary A. Olson. In: OLSON, Gary A.; WORSHAM, Lynn (Ed.). Race, rhetoric, and the postcolonial. SUNY Press, 1999.

_______________. Emancipação e diferença. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011.

_______________. A razão populista. São Paulo: Três Estrelas, 2013.

_______________. The rhetorical foundations of society. Verso Books: 2014.

MARCHART, Oliver. Post-Foundational Political Thought: Political Difference in Nancy, Lefort, Badiou and Laclau: Political Difference in Nancy, Lefort, Badiou and Laclau. Edinburgh University Press, 2007.

MIGUEL, Luis Felipe. Da “doutrinação marxista” à “ideologia de gênero” – Escola Sem

Partido e as leis da mordaça no parlamento brasileiro. Revista Direito e Práxis, vol. 7, no 15,

, pp. 590-621.

MONTEIRO, Ana Maria. Professores de História: entre saberes e práticas. Rio de Janeiro:

Mauad, 2007.

PENNA, Fernando. Ensino de história: operação historiográfica escolar. Tese (Doutorado em Educação) – PPGE-UFRJ. Rio de Janeiro, 2013.

_______________. Negociando a distância entre passado, presente e futuro em sala de

aula: a relação entre o tempo histórico e a aprendizagem significativa no ensino de história.

In: Anais do XVI Encontro regional de história da Anpuh-Rio: Saberes e práticas científicas, 2014. Rio de Janeiro: XVI Encontro regional de história da Anpuh-Rio: Saberes e práticas científicas, 2014. pp. 1-9.

PENNA, Fernando. A total dúvida sobre o amanhã. História e Perspectivas, Uberlândia (53):

-97, jan./jun. 2015.

PENNA, Fernando e AUTORA. As operações que tornam a história pública: a responsabilidade pelo mundo e o ensino de história. In: MAUAD, Ana M; ALMEIDA, Juniele R.; SANTHIAGO, Ricardo. (Orgs.). História Pública no Brasil: Sentidos e itinerários. São Paulo, Letra e Voz, 2016.

PENNA, Fernando. “O ódio aos professores”. In: AÇÃO EDUCATIVA (org.) A ideologia do Movimento Escola Sem Partido – 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016.

RANGEL, M. DE M.; DE ARAUJO, V. L. Apresentação - Teoria e história da historiografia: do giro linguístico ao giro ético-político. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, v. 8, n. 17, 29 abr. 2015.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010. (3 volumes)

SALLES, Diogo e AUTORA. O Escola sem Partido na desdemocratização brasileira. In: PENNA, F.; QUEIROZ, F.; FRIGOTTO, G. Educação democrática: antídoto ao Escola sem Partido. Rio de Janeiro: LPP UERJ, 2018.

SEFFNER, Fernando. Aprendizagens significativas em História: critérios de construção para atividades em sala de aula. In: Jogos e ensino de história. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2018. P. 35-46.

TURIN, R.. Entre o passado disciplinar e os passados práticos: figurações do historiador na crise das humanidades. TEMPO (NITERÓI. ONLINE), v. 24, p. 168-205, 2018.

TURIN, R.. Tempos precários: aceleração, historicidade e semântica neoliberal. 1. ed. Dansk: Zazie Edições, 2019. v. 1. 52p.




DOI: https://doi.org/10.20949/rhhj.v9i18.709

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Renata da Conceição Aquino da Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia