“Que dívida? Eu nunca escravizei ninguém!”: escravidão, trauma cultural e consciência histórica

Alex Andrade Costa

Resumo


Este artigo parte de duas reportagens
sobre a fala do candidato Jair Bolsonaro
em relação ao tráfico de escravos e as
cotas raciais para analisar a formação e
os impactos da consciência histórica na
vida das pessoas e qual o papel da escola
e dos variados meios que divulgam informações
históricas nesse processo. A
partir do conceito de trauma cultural, o
artigo estuda como a naturalização da
escravidão e as informações históricas
falsas interferem na formação da identidade
e na elaboração de políticas reparatórias.
O artigo discute, ainda, como a
escola e o ensino de História podem
atuar para fortalecer as memórias da comunidade
negra, respeitando o seu passado
traumático.


Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Martha; MATTOS, Hebe; GRINBERG, Keila. História pública, ensino de história e educação antirracista. Revista História Hoje, v. 8, n. 15, p. 17-38, 2019.

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. Parecer sobre a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental, ADPF/186, apresentada ao Supremo Tribunal Federal em 4 de março de 2010. Fundação Perseu Abramo, 2010. Disponível em: https://fpabramo.org.br/2010/03/24/cotas-parecer-de-luis-felipe-de-alencastro/. Acesso em: 24 ago. 2020.

ALEXANDER, Jeffrey; EYERMAN, Ron; GIESEN, Bernhard; SMELSER, Neil; SZTOMPKA, Piotr. Cultural Trauma Theory and Applications, Berkeley:

University of California Press, 2001.

ARAUJO, Ana Lúcia. Caminhos atlânticos: memória, patrimônio e representações da escravidão na Rota dos Escravos. Varia Historia, Belo Horizonte, vol. 25, nº 41: p.129-148, jan/jun 2009.

ARAUJO, Ana Lúcia. Reparations for Slavery and the Slave Trade. A Transnacional and Comparative History. New York, USA: Bloomsbury Academic, 2017.

ARAUJO, Ana Lúcia. Slavery in the Age of Memory: Engaging the Past. New York: Bloomsbury Academic, 2020.

CALDEIRA, Arlindo Manoel. Escravos e traficantes no império português: o comércio negreiro português no Atlântico durante os séculos XV a XIX. Editora A esfera do livro: Lisboa, 2013.

CERDÁ, Celeste. El passado reciente em la escuela. Notas sobre los desafios de ensenar historia em tempos de des/memorias. In: VALDEMARCA, Laura (coor.). Innovación educativa en la clase de historia, y otras ciencias sociales. Tomo 1: de resistencias y violencias: entre la desperonización y el Cordobazo. Córdoba: Universidad Nacional de Córdoba, 2016.

CERRI, Luís Fernando. Didática da História: uma leitura teórica sobre a História na prática. Revista de História Regional, 15(2): 264-278, Inverno, 2010.

CERRI, Luís Fernando. Ensino de história e consciência histórica. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2011.

CHESNEAUX, Jean. Devemos fazer tábula rasa do passado? Sobre a história e os historiadores. São Paulo: Editora Ática, 1995.

DAMATTA, Roberto. Relativizando: uma introdução à antropologia social. Rio de Janeiro: Rocco, 1987.

DELGADO, Andréa Ferreira; MAMIGONIAN, Beatriz Gallotti. Santa Afro Catarina: acervo digital e educação patrimonial. Revista Esboços, Florianópolis, v. 21, n. 31, p. 86-108, ago. 2014.

EDUCAFRO. Disponível em: https://www.educafro.org.br/site/conheca-educafro/. Acesso em: 15 jun. 2020.

ELTIS David, BEHRENDT Stephen D. e RICHARDSON, David. A participação dos países da Europa e das américas no tráfico transatlântico de escravos: novas evidências. Afro-Ásia, 24, 2000.

ELTIS, David; BEHRENDT, Stephen; RICHARDSON, David; FLORENTINO, Manolo. Voyages: The Transatlantic Slave Trade Database (Voyages). Disponível em: http://www.slavevoyages.org. Acessado em 21 jun. 2020.

EYERMAN, Ron. Cultural Trauma. Slavery and the formation of African American identity. Cambridge University Press, 2003

EYERMAN, Ron. Memory, Trauma and Identity. Cham, Switzerland: Palgrave Macmillan, 2019.

FERRARO, Juliana Ricarte. Entre textos e imagens: o compêndio de história do Brasil de Borges Hermida (1962-1975). 2013. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

GARCIA, Janaina. Bolsonaro repete narrativa de portugueses, diz estudioso do movimento negro. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/politica/eleicoes/2018/noticias/ 2018/08/01/especialistas-rebatem-argumentos-de-bolsonaro-sobre-racismo-e-violencia.htm. Acesso em: 12 maio 2020.

GOFF, Jacques Le. História e Memória. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2003.

HERMIDA, Antônio José Borges. Compêndio de história do Brasil, para a primeira e segundas séries do curso médio. 53ª ed, São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1968.

HOBSBAWN, Eric. Sobre história. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

INEP. Censo da Educação Superior 2018. Disponível em: https://www.gov.br/inep/pt-br/areas-de-atuacao/pesquisas-estatisticas-e-indicadores/censo-da-educacao-superior. Acesso em: 30 jun 2020.

LIMA, Mônica. História, patrimônio e memória sensível: o Cais do Valongo no Rio de

Janeiro. Outros Tempos, vol. 15, n. 26, 2018.

MATTOS, Hebe; ABREU, Martha; GURAN, Milton (orgs.). Inventário dos Lugares de Memória do Tráfico Atlântico de Escravos e da História dos Africanos Escravizados no Brasil. Niterói: LABHOI/UFF, 2013.

MATTOS, Hebe; ABREU, Martha; GURAN, Milton. Por uma história pública dos africanos escravizados no Brasil. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 27, nº 54, p. 255-273, julho-dezembro de 2014.

MENDONÇA, Joseli Maria Nunes. Escravidão, africanos e afrodescendentes na “cidade mais europeia do brasil”: identidade, memória e história pública. Tempos Históricos, vol 20, 1º Semestre de 2016.

NEAL, Arthur. National Trauma and Collective Memory, Armonk, New York: M.E. Sharpe, 1998.

RÜSEN, Jorn. Como dar sentido ao passado: questões relevantes de meta-história. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, v. 2, n. 2, p. 163-209, 2009.

RÜSEN, Jorn. El desarollo de la cometencia narrativa en el aprendizaje historico. Una hipótesis ontogenética relativa a la consciencia moral. Propuesta Educativa, Buenos Aires, n.7, 1992.

RÜSEN, Jörn. História Viva: teoria da história: formas e funções do conhecimento histórico. Brasília: Editora UNB, 2007.

SILVA, Mário Augusto Medeiros da. “Quando nos matam duas vezes, a luta negra ressurge outras mil”. BVPS. Disponível em: https://blogbvps.wordpress.com/2019/08/22/quando-nos-matam-duas-vezes-a-luta-negra-ressurge-outras-mil-por-mario-augusto-medeiros-da-silva-unicamp/. Acesso em 28 ago 2020.

UOL. Bolsonaro critica cotas e nega dívida com negros: "não escravizei ninguém". Disponível em: https://noticias.uol.com.br/politica/eleicoes/2018/noticias/2018/07/31/bolsonaro-diz-que-pretende-reduzir-cortas-nunca-escravizei-ninguem.htm#comentarios. Acesso em: 12 maio 2020.

VALLADARES, Clarival do Prado. “A defasagem africana ou crônica do 1º Festival de Artes Negras”. Cadernos Brasileiros, v. 8, n. 36, jul./ago. 1966.

VENTURA, Roberto. Estilo tropical: história cultural e polêmicas literárias no Brasil, 1870-1914. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

VIDAL-NAQUET, Pierre. Os assassinos da memória: um Eichmann de papel e outros ensaios sobre o revisionismo. Campinas, SP: Papirus, 1988.




DOI: https://doi.org/10.20949/rhhj.v10i19.748

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Alex Andrade Costa

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia