A ideia de povo brasileiro nas lições de História do professor Joaquim Silva

Halferd Carlos Ribeiro Junior, Arnaldo Pinto Junior

Resumo


O período entre 1930 e 1945 foi marcado pela ascensão dos regimes totalitários, a crise do capitalismo liberal, e o uso da violência como estratégia para resolução de conflitos políticos. No Brasil, Vargas empreendeu um projeto político de modernização, marcado pela iniciativa de industrialização e urbanização, a revisão da cultura política e histórica acerca da nação, e a partir de 1937 acentuou-se a centralização administrativa e o autoritarismo. Nesse cenário, a educação escolar foi um palco privilegiado da ação política, e o ensino de história um de seus principais personagens. Neste artigo, analisamos a ideia de povo brasileiro nas lições de história de Joaquim Silva, preocupados em desvelar a trama discursiva da cultura política e histórica de sua interpretação, atrelada as reformas educacionais e do currículo de história do período em tela.

Texto completo:

PDF

Referências


BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2004.

BRASIL. Decreto nº 19.402, de 14 de novembro de 1930. Diário Oficial da União. Poder Executivo, Rio de Janeiro, DF, 18 de novembro de 1930, Seção 1, p. 20.883.

BRASIL. Lei nº 378, de 13 de janeiro de 1937. Diário Oficial da União. Poder Executivo, Rio de Janeiro, DF, 15 de janeiro de 1937, Seção 1, p. 1.210.

BRASIL. Decreto-Lei nº 4.244, de 9 de abril de 1942. Diário Oficial da União. Poder Executivo, Rio de Janeiro, DF, 10 de abril de 1942, Seção 1, p. 5798.

BRASIL. Portaria Ministerial nº 101, de 27 de abril de 1942. Diário Oficial da União. Poder Executivo, Rio de Janeiro, DF, 28 de abril de 1942, Seção 1.

DALLABRIDA, Norberto. A reforma Francisco Campos e a modernização nacionalizada do ensino secundário. Educação, Porto Alegre, v. 32, n. 2, p. 185-191, maio/ago. 2009. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/5520. Acesso em: 11 jul. 2019.

ESCOLANO BENITO, Agustín. Currículum editado y sociedad del conocimiento: texto, multimedialidad y cultura de la escuela. Valencia: Tirant lo Blanch, 2006.

FAUSTO, Boris. Getúlio Vargas: o poder e o sorriso. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

FERREIRA, Rita de Cassia Cunha. A Comissão Nacional do Livro Didático durante o Estado Novo (1937-1945). Dissertação (Mestrado em História). Faculdade de Ciências e Letras de Assis, Universidade Estadual Paulista, Assis, 2008. 139 f. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/93413. Acesso em: 29 nov. 2019.

FREITAS, Itamar. A historiografia escolar na Comissão Nacional do Livro Didático: pareceres de Jonhatas Serrano (1938/1941). História & Ensino, Londrina, v. 12, p. 141-156, ago. 2006. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/histensino/article/view/11726. Acesso em: 18 fev. 2019.

GASPARELLO, Arlette Medeiros. Construtores de Identidade: a pedagogia da nação nos livros didáticos da escola secundária brasileira. São Paulo: Iglu Editora, 2004.

GOMES, Ângela de Castro. Cultura política e cultura histórica no Estado Novo. In: Abreu, Martha; SOIHET, Rachel; GONTIJO, Rebeca (Org.). Cultura política e leituras do passado: historiografia e ensino de História. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

GOODSON, Ivor Frederick. Currículo: teoria e história. Petrópolis: Vozes, 1995.

LENHARO, Alcir. Sacralização da política. Campinas: Papirus, 1986.

PEREIRA, Baptista. A formação espiritual do Brasil. São Paulo: Saraiva & Cia, 1930.

PINTO JUNIOR, Arnaldo. Professor Joaquim Silva, um autor da história ensinada no Brasil: livros didáticos e educação moderna dos sentidos (1940-1951). Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010. 273 f. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/251503. Acesso em: 15 nov. 2019.

REZNIK, Luís. Tecendo o amanhã. A História do Brasil no ensino secundário: programas e livros didáticos (1931 a 1945). Dissertação (Mestrado em História). Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 1992. 288 f.

RIBEIRO JUNIOR, Halferd Carlos. Ensino de História e identidade: currículo e livro didático de História de Joaquim Silva. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015. 266 f. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/254123. Acesso em: 08 nov. 2019.

SANTOS, Beatriz Boclin Marques dos. O currículo da disciplina História no Colégio Pedro II – a década de 1970 – entre a tradição acadêmica e a tradição pedagógica: a História e os Estudos Sociais. Tese (Doutorado em Educação). Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009. 294 f. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=163178. Acesso em: 08 nov. 2019.

SCHWARTZMAN, Simon; BOMENY, Helena Maria Bousquet; COSTA, Vanda Maria Ribeiro. Tempos de Capanema. 2ª ed. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas; Paz e Terra, 2000.

SILVA, Joaquim. História do Brasil para o Terceiro Ano Ginasial. 16ª ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1945.

SKIDMORE, Thomas Elliot. De Getúlio Vargas a Castelo Branco (1930-1964). Rio de Janeiro: Saga, 1969. (Coleção Imagem do Brasil, v. 9)

VESENTINI, Carlos Alberto. A teia do fato. Uma proposta de estudo sobre a memória histórica. São Paulo: Editora Hucitec; História Social – USP, 1997.




DOI: https://doi.org/10.20949/rhhj.v9i18.569

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 HALFERD CARLOS RIBEIRO JUNIOR, Arnaldo Pinto Junior

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia