Patrimônios sensíveis, ensino de História e disputas de memória: fissurando o “mito bandeirante”

Thays Merolla Piubel, Rafaela Albergaria Mello

Resumo


O presente artigo tem por objetivo propor
reflexões sobre o ensino de História
articulado com questões do tempo presente,
memória e patrimônios sensíveis.
Partindo do contexto das manifestações
de derrubada de estátuas de cunho colonialista
e racistas, são desenvolvidas considerações
sobre a construção de uma
história nacional brasileira eurocêntrica
e excludente e o papel de mediação do
ensino de História entre história e memória.
Por fim é proposta uma análise de
caso do Monumento às Bandeiras, em
São Paulo, e seu papel de reafirmação dos
mitos e heróis nacionais, articulando esse
debate com uma análise do papel dos
bandeirantes no livro didático de História,
objetivando compreender o papel
desse artefato cultural da História escolar,
especificamente, e do ensino de História,
em geral, em perpetuar ou desconstruir
as narrativas e heróis nacionais.


Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz. Palestra proferida no Complexo de Formação de Professores em Tempos Inéditos: Reflexões Sobre O Nosso Presente. 28 mai. 2020. Disponível em: . Acesso em 5 out. 2020.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de História: fundamentos e métodos. 2 ed. São Paulo, Cortez, 2008. 407 p. (Coleção Docência em formação. Série Ensino Fundamental)

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. História das populações indígenas na escola: memórias e esquecimentos. In: PEREIRA, Amilcar e Monteiro, Ana Maria Ferreira da Costa (Orgs.). Ensino de História e Culturas Afro-brasileiras e Indígenas. Rio de Janeiro: Pallas, 2013. p. 101-132.

DOSSE, François. História do tempo presente e historiografia. Tempo e Argumento: Revista de História do Tempo Presente, Florianópolis, v. 4, n. 1, p. 05-22, jan./jun. 2012. Disponível em: . Acesso em 05 set. 2020.

GIL, Carmen Zeli de Vargas; EUGENIO, Jonas Camargo. Ensino de história e temas sensíveis: abordagens teórico-metodológicas. Revista História Hoje, v. 7, n. 13, p. 139-159, 2018. Disponível em: Acesso em 29 set. 2020.

FICO, Carlos. História do Tempo Presente, eventos traumáticos e documentos sensíveis o caso brasileiro. Varia Historia, Belo Horizonte, v. 28, n. 47, p. 43-59, jan./jun. 2012. Disponível em: . Acesso em 25 set. 2020.

HOBSBAWM, Eric. Introdução: A invenção das tradições. In: HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence. A invenção das tradições. 6 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2008. p. 9-23.

MONTEIRO, Ana Maria Ferreira da Costa. Professores de história: entre saberes e práticas. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007a.

MONTEIRO, Ana Maria Ferreira da Costa. Ensino de História: entre história e memória. In: SILVA, Gilvan Ventura da; SIMÕES, Regina Helena Silva; FRANCO, Sebastião Pimentel (Orgs.). História e Educação: territórios em convergência. Vitória: GM/ PPGHIS/UFES, 2007b, p. 59-80.

MONTEIRO, John Manuel. Negros da Terra: Índios e Bandeirantes nas Origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

MONTEIRO, John Manuel. O Desafio da História Indígena no Brasil. In: SILVA, Aracy Lopez da Silva; GRUPIONI Luiz Donisetti Benzi, (Orgs.). A temática indígena na sala de aula. Novos subsídios para professores de 1º e 2º graus. Brasília: MEC, 1995, p. 221-228.

MOREIRA, Vânia. O ofício do historiador e os índios: sobre uma querela no Império. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 30, n. 59, p. 53-72, 2010. Disponível em: . Acesso em 10 set. 2020.

MOURA, Irene Barbosa de. A cidade e a festa: Brecheret e o IV Centenário de São Paulo. 2010. 176 f. Tese (Doutorado em História) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2010.

MUNAKATA, Kazumi. O livro didático: alguns temas de pesquisa. Revista Brasileira de História da Educação, Campina Grande, v. 12, n. 3, set./dez. 2012, p. 179-197. Disponível em: . Acesso em 28 set. 2020.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História – Revista do Programa de Estudos de Pós-graduados em História do Departamento de História, São Paulo, v. 10. 1993, p. 7-28. Disponível em: . Acesso em 16 set. 2020.

OLIVEIRA, João Pacheco de. O nascimento do Brasil: Revisão de um paradigma historiográfico. Anuário Antropológico, I, 2010, p. 11-40.

PEREIRA, Nilton Mullet; SEFFNER, Fernando. Ensino de História: passados vivos e educação em questões sensíveis. Revista História Hoje, v. 7, n. 13, p. 14-33, 2018. Disponível em: Acesso em 29 set. 2020.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, 1992, p. 200-212. Disponível em: . Acesso em 10 set. 2020.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina: La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. In: LANDER, Edgardo (Org.). Perspectivas Latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p. 107-130.

SILVA, Daniel Pinha. O lugar do tempo presente na aula de história: limites e possibilidades. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 9, n. 20, p. 99‐129. jan./abr. 2017. Disponível em: . Acesso em 30 set. 2020.

SILVA JÚNIOR., Astrogildo Fernandes. BNCC, componentes curriculares de História: perspectivas de superação do eurocentrismo. Revista Eccos - Revista Científica, São Paulo, n. 41, p. 91-106, set./dez. 2016.




DOI: https://doi.org/10.20949/rhhj.v10i19.737

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Thays Merolla Piubel, Rafaela Albergaria Mello

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

       

 

 

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia